Home Brasil Alvo de processo de cassação, deputado se diz vítima de injustiça

Alvo de processo de cassação, deputado se diz vítima de injustiça

8 primeira leitura
0

Foto: Zeca Ribeiro

João Rodrigues é acusado de fraude e dispensa irregular de licitação para a compra de uma retroescavadeira, em 1999, quando era vice-prefeito de Pinhalzinho (SC)

 

 

Em depoimento nesta quarta-feira (20) no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, o deputado João Rodrigues (PSD-SC) disse que é vítima de “injustiça sem precedentes” e pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o imediato julgamento definitivo de sua condenação.

PUB

No Conselho de Ética, o deputado é alvo de processo de cassação do mandato proposto pela Rede com base em decisão do Tribunal Regional Federal (TRF-4), que o condenou a cinco anos e três meses de reclusão.

A acusação é de fraude e dispensa irregular de licitação para a compra de uma retroescavadeira, em 1999, quando Rodrigues era vice-prefeito de Pinhalzinho (SC) e assumiu a prefeitura interinamente por 30 dias.

O prefeito da época, Darci Fiorini, foi ouvido pelo Conselho de Ética nesta quarta-feira e assumiu toda a responsabilidade pelos atos, admitiu apenas erros formais e garantiu que todos os procedimentos tinham aval jurídico.

“Se for ver a culpa, eu deveria estar sozinho ou junto com o João Rodrigues na cadeia. Não tenho dúvida nenhuma que isso é uma perseguição. Por ser meu vice, ele não merece isso. Não tem nada de errado. A prefeitura não teve prejuízos”, afirmou.

Fiorini sequer foi ouvido no processo judicial e nenhuma outra pessoa foi condenada no caso da retroescavadeira de Pinhalzinho. Um ex-vereador (Anacleto Gallon) e um mecânico da prefeitura (Ariberto Bertosso), também indicados pela defesa, reforçaram essa versão.

Ora enfático, ora emocionado, João Rodrigues ressaltou que não houve má-fé nem desvio de recursos públicos. “Eu dei uma assinatura. Qual o ato ilícito em publicar o edital de licitação? Qual o erro, o crime, o roubo? Uma assinatura em 1999 me colocou na cadeia, sendo 130 dias em regime fechado. Você não sabe o que é isso: em um momento em que o País passa por uma roubalheira sem tamanho, o único deputado com mandato preso é porque deu uma assinatura. O que é que estou fazendo preso? Que justiça é essa?”, questionou.

Prisão

Apesar da condenação para o regime semiaberto, o deputado disse que, “arbitrariamente”, passou meses em regime fechado. Também se disse prejudicado pelo foro privilegiado e por erros de interpretação do TRF-4 quanto à prescrição de fatos ocorridos em 1999. Rodrigues recorreu ao Supremo Tribunal Federal contra a decisão em segunda instância do tribunal regional e pediu o imediato julgamento definitivo.

“Se está prescrito e se, no mérito, não tem dano e não tem dolo, por que eu estou preso? Por que eu tenho de dormir, daqui a pouquinho, lá no Complexo Penitenciário da Papuda? Eu não vim aqui pedir socorro para mandato. Isso não é mais prioridade para mim. Eu só quero é lavar a minha honra”, afirmou.

Com críticas a supostos excessos da imprensa e do Ministério Público, alguns deputados – como Sérgio Moraes (PTB-RS) e Jorginho Mello (PR-SC) – já anteciparam votos favoráveis à manutenção do mandato de João Rodrigues.

Governador de Santa Catarina no fim dos anos 90, o deputado Esperidião Amin (PP-SC) disse que os procedimentos da prefeitura de Pinhalzinho estavam amparados na Lei de Licitações.

Julgamento

O presidente do Conselho de Ética, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), quer o apoio do presidente da Câmara para pedir ao STF rapidez no julgamento dos recursos de Rodrigues. “Vou pedir ao deputado Rodrigo Maia para, se for possível, agendar já para a próxima semana uma audiência com a presidente do Supremo Tribunal Federal [ministra Cármen Lúcia]. Não é para pedir nada de mais, não. É só para pedir que julgue: não é a favor nem contra, não, apenas que julgue”, afirmou.

Na reunião no STF, os deputados pretendem conversar também com os ministros Luís Roberto Barroso, relator dos recursos do deputado João Rodrigues; e Dias Toffoli, que cuida da revisão criminal do deputado Celso Jacob (MDB-RJ), condenado, com trânsito em julgado, por irregularidades na construção de uma creche, quando era prefeito de Três Rios (RJ).

O relator do processo contra João Rodrigues, deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL), considerou concluída a fase de instrução e deve apresentar o parecer sobre o caso em até dez dias úteis. Segundo Lessa, mesmo diante de aparente injustiça, cabe ao conselho apenas avaliar o efeito da conduta de Rodrigues para o Parlamento.

Fonte: Notícias ao Minuto

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Brasil

Veja Também

Ataque de Fernando Haddad ao Bispo Macedo provoca indignação em mais de 140 líderes religiosos

Haddad chamou Edir Macedo de ‘charlatão fundamentalista’ Declaração do candida…