Home Justiça Após quase 30 anos, mulher é indenizada por ter contraído Aids em transfusão

Após quase 30 anos, mulher é indenizada por ter contraído Aids em transfusão

5 primeira leitura
0

Mulher precisou de transfusão após sofrer um corte durante o parto, na década de 80. Anos depois, ela recebeu diagnóstico da doença. Em acordo, vai receber R$ 200 mil

 

 

Uma moradora de Belo Horizonte receberá R$ 200 mil de indenização por danos morais após um acordo que pôs fim a uma ação judicial que durou vários anos. Ela contraiu o vírus HVI em uma transfusão de sangue após um parto em 1989. O diagnóstico só veio no fim da década de 1990. O valor será pago pela maternidade onde o procedimento foi realizado.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) explica que, segundo o processo, durante o parto, a mulher sofreu um corte interno por conta do uso de um fórceps (instrumento usado para ajudar o bebê a sair do ventre), o que gerou hemorragia. Diante da situação de emergência, o médico optou pela retirada do útero e foi preciso fazer uma transfusão de sangue. Dez anos depois, com sintomas de fraqueza e desânimo, ela passou por vários tratamentos que não surtiram efeito. O diagnóstico de Aids veio após internação no Hospital Felício Rocho.

Na primeira instância, a 12ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte julgou a ação improcedente em relação aos médicos, entendendo que faltavam provas de que eles tivessem cometido algum erro. Em relação ao pedido de indenização por parte da maternidade e do laboratório, este último que atuava em parceria com o hospital na época, o juiz julgou os pedidos parcialmente procedentes, condenando as entidades a pagarem R$ 200 mil à autora da ação, custeando também todas as despesas com tratamento médico, compra de medicamentos e acompanhamento psicológico e psiquiátrico em razão do contágio pelo HIV.

O laboratório foi incluído na ação devido a um decreto que regulamenta a lei 7.649, de 1988, em que estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doares de sangue. Além de realizar exames laboratoriais no sangue para prevenir a propagação de doenças. Segundo o TJMG, durante o processo, ficou constato que o laboratório realizou o procedimento e informou que não detectou nenhuma contaminação.

A paciente recorreu, assim como a maternidade e o laboratório, sustentando que não tinham responsabilidade nos fatos. O desembargador-relator, Vicente de Oliveira Silva, disse que foi marcada uma audiência para composição entre as partes, mas sem sucesso.

No entanto, após a inclusão do processo em pauta de julgamento, os autores e a maternidade peticionaram, para informar sobre o acordo extrajudicial. A maternidade vai pagar à família uma indenização de R$ 200 mil, em quatro parcelas mensais de R$ 50 mil. Em contrapartida, os requerentes desistiram da apelação. O relator, diante da manifestação da família, maternidade e laboratório, homologou o acordo, por decisão monocrática, determinando o fim do processo.

Fonte: Diário de Pernambuco

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Justiça

Veja Também

Ataque de Fernando Haddad ao Bispo Macedo provoca indignação em mais de 140 líderes religiosos

Haddad chamou Edir Macedo de ‘charlatão fundamentalista’ Declaração do candida…