O dólar comercial fechou a semana em alta de 1,52% e acumula valorização de 25,71% no ano. A moeda, apesar da contração ante o real nesta sessão, disparou ontem e atingiu a máxima desde a criação do Plano Real aos R$4,20 durante o pregão, mas retornou aos R$4,19 no fechamento.

Já nesta sexta-feira, depois do exagero da sessão anterior, a moeda voltou para o negativo. A especulação, segundo analistas, segue com o quadro político instável do Brasil.

No cenário externo, depois da fraqueza na semana, a divisa ajustou na bolsa de Nova York e ganhou força com novas falas do presidente Donald Trump contra a China na batalha comercial.

Ao final, no interbancário, a moeda ficou em queda de 0,69% aos R$4,166 na compra e R$4,166 para a venda. O dólar turismo ficou em queda de 1,14% aos R$4,000 para a compra e R$4,330 para a venda.

Demais moedas

O euro ficou em queda de 1,50% a R$4,844 para a compra e também para a venda; a libra ficou em queda de 1,28% a R$5,445 para a compra e R$%,447 para a venda; e o peso argentino ficou em queda de 1,39% a R$0,103 na compra e R$0,106 na venda.

O Banco Central realizou leilão de 10,9 mil contratos em swap cambial tradicional, que equivale a venda de dólares no mercado futuro, para rolagem com vencimento para 01 de outubro.

Cenário externo

O índice DXY, que mede o comportamento da moeda com mais seis na bolsa de Nova York, seguia em alta de 0,45% a 94,96. A recuperação do índice se deu com, depois da sequência no vermelho, com um ajuste.

Os dados econômicos apresentados hoje, acima do esperado e alguns em linha, foram ofuscados novamente com o presidente Donald Trump voltando a afirmar que seguirá com as tarifas comerciais em torno dos US$200 bilhões contra produtos chineses.

Fonte: último Intante

Carregar mais por Bcn

Veja Também

Polícia Civil deflagra ação de combate ao tráfico próximo de escolas

Coordenada pelo Conselho dos Chefes de Polícia Civil, operação Anjos da Lei contou com par…