Home Bcn Em depoimento, Joesley volta a afirmar que pagou propina a Temer

Em depoimento, Joesley volta a afirmar que pagou propina a Temer

5 primeira leitura
0

Foto: Adriano Machado

Empresário prestou depoimento nesta segunda-feira (6), na 15ª Vara Federal de Brasília

 

Em depoimento na 15ª Vara Federal de Brasília, ao procurador Ivan Cláudio Marx, nesta segunda-feira (6), o empresário Joesley Batista, dono do grupo J&F, voltou a afirmar que pagou propina ao presidente Michel Temer (MDB). A entrega do dinheiro, confirmou o empresário, foi feita por Ricardo Saud, então executivo do grupo, a Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do emedebista.

O fato está relacionado à entrega da mala contendo R$ 500 mil, conforme episódio gravado pela Polícia Federal, em uma ação articulada com o Ministério Público Federal (MPF) e autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O material – junto com a delação premiada de Joesley -, foi utilizado pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot para denunciar o presidente por corrupção passiva, em junho do ano passado. A denúncia, no entanto, foi barrada pela Câmara dos Deputados, e a investigação só poderá ser retomada após Temer deixar a Presidência.

+Da cadeia, Lula operou até o último minuto para tentar garantir o PT no segundo turno 

Rocha Loures também foi denunciado pelo mesmo crime, mas o processo contra ele corre normalmente na Justiça. “Entre os meses de março a abril de 2017, com vontade livre e consciente, o presidente da República Michel Miguel Temer Lulia, valendo-se de sua condição de chefe do Poder Executivo e liderança política nacional, recebeu para si, em unidade de desígnios e por intermédio de Rodrigo Santos da Rocha Loures, vantagem indevida de R$ 500.000 ofertada por Joesley Batista, presidente da sociedade empresária J&F Investimentos S.A., cujo pagamento foi realizado pelo executivo da J&F Ricardo Saud”, diz a denúncia apresentada por Janot.

Nesta manhã, conforme O Globo, Joesley detalhou que a propina estava vinculada à compra de gás da Empresa Produtora de Energia (EPE), do grupo J&F, de fornecedores da Bolívia sem entraves criados pela Petrobras. “Eu falei para o Rodrigo (Rocha Loures): R$ 500 mil ou R$ 1 milhão por semana. Então fizemos o contrato. Eu falei : oh funcionou!”, disse o empresário.

Ele também voltou a falar sobre a conversa que teve com Temer, em que contou sobre os pagamentos que fazia para manter Eduardo Cunha e Lucio Funaro em silêncio, na prisão.

“Eu disse que estava dando dinheiro para o Lúcio, dava dinheiro para o Eduardo. Aí o Temer me surpreende ao dizer que tem que continuar. Aquela famosa frase dele, tem que manter isso. Numa hora dessas o presidente manda que eu tenho que tenho que continuar. Me assustei muito quando ele falou que era para manter isso”, disse.

O empresário ainda afirmou que a ideia de gravar a conversa com Temer no Jaburu partiu dele, muito antes do início das tratativas que resultaram no acordo de delação. O depoimento durou cerca de duas horas.

Fonte: Notícias ao Minuto

Carregar mais por Bcn

Veja Também

Polícia Civil deflagra ação de combate ao tráfico próximo de escolas

Coordenada pelo Conselho dos Chefes de Polícia Civil, operação Anjos da Lei contou com par…