Gina Haspel é alvo de polêmicas por forma de conduzir interrogatórios.

 

 

A indicada pelo presidente Donald Trump para chefiar a CIA, Gina Haspel, tentou recuar do cargo depois que seu papel no programa de interrogatórios da agência virou alvo de polêmicas e preocupações, disseram duas pessoas com conhecimento do assunto à Reuters.

Haspel foi convocada para a Casa Branca na sexta-feira para uma reunião para discutir seu histórico no programa de interrogatório empregando técnicas como o afogamento simulado, amplamente condenado como tortura, reportou primeiro neste domingo (6) o jornal The Washington Post.

Continua depois da publicidade

Ela disse à Casa Branca que se afastaria da disputa para evitar uma audiência brutal de escrutínio no Comitê de Inteligência do Senado na quarta-feira, que poderia prejudicar a agência de inteligência CIA, disseram os funcionários ao Washington Post. Ela então retornou à sede da agência em Langley, na Virgínia.

Assessores da Casa Branca, incluindo o responsável por assuntos legislativos Marc Short e a porta-voz Sarah Sanders, deslocaram-se imediatamente para Langley na sexta-feira para discussões que duraram várias horas, mas que não garantiram de Haspel o compromisso de ir adiante com a indicação, revelou o jornal.

Somente na tarde de sábado a Casa Branca garantiu que ela não se retiraria, segundo o jornal.

Trump nomeou Haspel, a primeira mulher escolhida para chefiar a agência, para suceder Mike Pompeo, que se tornou secretário de Estado no mês passado.

A indicação de Haspel teve grande oposição devido ao seu papel em um extinto programa no qual a agência detinha e interrogava suspeitos da Al Qaeda em prisões secretas no exterior utilizando técnicas amplamente condenadas como tortura.

O Programa de Rendição, Detenção e Interrogatório foi autorizado pelo ex-presidente George W. Bush depois dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Em artigo no NY Times, Lula diz que ‘o tempo corre contra a democracia’

Foto:  Paulo Whitaker “Eu não peço para estar acima da lei, mas um julgamento deve s…