Home Brasil Justiça define regras para deputado João Rodrigues cumprir pena no semiaberto

Justiça define regras para deputado João Rodrigues cumprir pena no semiaberto

4 primeira leitura
0

Parlamentar está na Papuda, mas obteve liminar no STF para manter mandato. Ele terá de usar tornozeleira eletrônica e se manter nas imediações da Câmara.

 

 

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal divulgou nesta segunda-feira (18) as condições da prisão do deputado federal João Rodrigues (PSD-SC) no regime semiaberto. Apesar de estar detido na Papuda, o parlamentar cumpre mandato, devido a uma liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Entre as regras estabelecidas pelo documento, está a restrição para o local de almoço. João Rodrigues – monitorado por uma tornozeleira eletrônica – poderá se distanciar apenas 100 metros da Câmara dos Deputados.

Na prática, isso significa que ele não sairá para almoçar nem nos ministérios da Justiça e das Relações Exteriores – os mais próximos do Congresso Nacional.

“O sentenciado não pode utilizar o horário de exercício das atividades parlamentares para recebimento de visitas de familiares e amigos, uma vez que será beneficiado com saídas quinzenais”, completa o documento.

De acordo com a decisão, Rodrigues poderá se deslocar exclusivamente entre o Centro de Detenção Provisória da Papuda e a Câmara dos Deputados, em dias úteis, saindo da unidade prisional às 8h e voltando, no máximo, às 19h30.

O deputado João Rodrigues (PSD-SC), durante discurso na tribuna da Câmara (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)

O deputado João Rodrigues (PSD-SC), durante discurso na tribuna da Câmara (Foto: Gustavo Lima)

 

Em caso de sessões noturnas na Casa, o parlamentar terá de apresentar certidão emitida pela Câmara. A mesa diretora deverá encaminhar ao presídio, mensalmente, uma cópia do registro eletrônico de frequência de Rodrigues.

Se alguma medida for descumprida, o deputado federal passará por “isolamento disciplinar por até 10 dias”, além da suspensão automática das saídas diárias e quinzenais.

O crime

João Rodrigues foi preso por ordem do Supremo depois de ter sido condenado a cinco anos e três meses de reclusão em regime semiaberto pelo Tribunal Regional Federal (TRF-4) por fraude e dispensa de licitação quando era prefeito de Pinhalzinho (SC). Ele está detido desde fevereiro.

Ao comentar a condenação, na semana passada, o parlamentar disse que não pode “simplesmente ficar preso no regime fechado” como se fosse “um grande corrupto, como se fosse um homem que desvia milhões, no momento que o país está vivendo”. Ele afirmou que se sentia “machucado, pisado e humilhado”.

“Eu acho que a pior coisa do mundo é quando você paga pelo que você não deve. Se eu devesse qualquer coisa que fosse, eu teria renunciado ao meu mandato”, disse.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Brasil

Veja Também

Ataque de Fernando Haddad ao Bispo Macedo provoca indignação em mais de 140 líderes religiosos

Haddad chamou Edir Macedo de ‘charlatão fundamentalista’ Declaração do candida…