Home Brasil Lava Jato mira desvios no Rodoanel e prende ex-secretário de Alckmin

Lava Jato mira desvios no Rodoanel e prende ex-secretário de Alckmin

6 primeira leitura
0

Foto: Sergio Moraes

PF cumpre 15 mandados de prisão temporária e 56 de busca e apreensão durante a Operação Pedra no Caminho

A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (21) a Operação Pedra no Caminho, etapa da Operação Lava Jato de São Paulo, que apura crimes praticados por agentes públicos e empresários durante as obras do trecho norte do Rodoanel. Segundo o TCU (Tribunal de Contas da União), o superfaturamento na obra chega a mais de R$ 600 milhões.

PUB

Um dos alvos de mandado de prisão é Laurence Casagrande Lourenço, que durante o governo Geraldo Alckmin (PSDB) foi presidente da Dersa, estatal responsável por obras rodoviárias paulistas, e secretário de Logística e Transportes. Atualmente, Lourenço preside a Cesp (Companhia Energética de São Paulo).

Ao todo, estão sendo cumpridos 15 mandados de prisão temporária e 56 de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Ribeirão Preto, Bofete, Arujá, Carapicuíba e Marataízes (ES).

Os alvos dos mandados são ex-diretores da Dersa e executivos das construtoras OAS e Mendes Junior. Eles são suspeitos de corrupção, organização criminosa, fraude à licitação, crime contra a ordem econômica e de desvio de verbas pública.

As obras do trecho norte começaram em 2013, durante a gestão de Alckmin, e ainda não foram concluídas. Investigações do TCU e CGU (Controladoria-Geral da União) e Ministério da Transparência apontam que os contratos com a Dersa, celebrados inicialmente com preços baixos, tiveram aditivos que elevaram o custo da obra.

Por meio da prática conhecida como “jogo de planilhas”, em que o licitante oferece preço acima do mercado para alguns itens e abaixo para outros, os investigadores apontam que no lote 1 da obra houve sobrepreço de 16% a 430% em serviços de escavação e explosivos, estrutura de túneis, carga e desmonte de argamassa, acrescendo indevidamente cerca de R$ 60 milhões.

Já no lote 2, esse aumento foi de 987% (mais de R$ 21 milhões) nos serviços de escavação e explosivos e no lote 3, aumentos de até 1.223%. Somados, os acréscimos nos lotes 1, 2, 3 e 5 chegam a mais de R$ 143 milhões.

Em 2016, reportagem da Folha mostrou que a Dersa firmou um aditivo com a OAS com base somente em um relatório feito pela própria empresa interessada. A medida aumentou em 290% o custo da terraplanagem em um dos lotes da obra.

O relatório da OAS precisava ter a assinatura de um responsável técnico, como geólogo ou geotécnico, mas não tem. Nele, a empresa alegou que o projeto original da Dersa não previu a enorme quantidade de matacões (grandes rochas) existente no local, o que dificulta a terraplanagem e aumenta o custo do serviço.

Segundo a reportagem, a direção da Dersa acatou o argumento da OAS sem consultar todas as áreas técnicas do órgão, como os setores de Projeto -que teria falhado ao não prever os matacões- e o de Planejamento. A Dersa disse que o trâmite para a assinatura do aditivo foi regular.

Fonte: Notícias ao Minuto

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Brasil

Veja Também

Ataque de Fernando Haddad ao Bispo Macedo provoca indignação em mais de 140 líderes religiosos

Haddad chamou Edir Macedo de ‘charlatão fundamentalista’ Declaração do candida…