Presidente corta de 60 para 40 número de servidores que vão viajar com ele e família para Restinga de Marambaia

 

Brasília – A repercussão negativa do grande número de pessoas na comitiva palaciana para passar o carnaval na base naval na Restinga de Marambaia, no Rio de Janeiro, levou o presidente Michel Temer a reduzir sua entourage de 60 para 40 pessoas. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, informou que Temer decidiu passar o recesso da folia com a família levando menos funcionários, conforme orientação repassada ao Gabinete de Segurança Institucional. Para transportar 60 pessoas, entre seguranças, cozinheiros, garçons, copeiras,camareiras e babá, entre outros servidores, a Força Aérea Brasileira (FAB) teria de fazer dois voos entre Brasília e o Rio. Apenas a primeira-dama Marcela Temer chegou a pedir o acompanhamento de 20 funcionários do Palácio do Jaburu.

MDB de Minas adia reunião para expulsar deputado que falou mal de Temer
“Primeiro, não vão 60 pessoas, irá um contingente menor. Quando surgiu o assunto na mídia, o presidente chamou quem organizou a caravana e pediu: “Nós vamos reduzir esse número de pessoas para o mínimo indispensável”, afirmou o ministro Padilha. Segundo ele, mais da metade desse contingente é formada por seguranças, que trabalham com o presidente em Brasília e vão juntos no avião. “O segurança não trabalha 24 horas, ele trabalha oito horas, depois oito horas, depois oito horas. Então, precisa de três pessoas para o mesmo dia”, justificou Padilha.

Mas com a nova decisão de Temer, o número de integrantes da equipe presidencial caiu para cerca de 40 funcionários. Para ele, o número de integrantes da viagem é comum nos deslocamentos do presidente e sua família. “Deve baixar para em torno de 40. Importante é que não está sendo contratado ninguém. E não é o presidente Michel Temer, é a Presidência da República. E isso já existia com outros presidentes, mas não veio a público”, afirmou Padilha.

“Na base naval não tem ninguém, então leva cozinheiro, pessoa que cuida da arrumação da casa. Não está contratando ninguém. É o pessoal que serve o presidente aqui em Brasília e que vai com ele nessa viagem. Não sei porque veio a público isso agora, porque esta é a rotina de todos os presidentes. Esse staff acompanha todos os presidentes”, disse também.

VIAGENS

Na última terça-feira, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) informou que o planejamento e a execução das viagens presidenciais “impõem desdobramento de meios, estruturas e pessoal que assegurem o exercício das prerrogativas do presidente da República”. O GSI não se manifestou sobre detalhes da viagem presidencial a Restinga de Marambaia, mas afirmou, em nota, que “os protocolos e o efetivo empregados serão mantidos e já foram utilizados, no todo ou em parte, em viagens presidenciais anteriores”.

Michel Temer passou o réveillon de 2016 na base administrada pela Marinha, onde a segurança fez abordagem de barcos que navegavam na região. A iniciativa foi estratégia para garantir a privacidade de Temer e da família e evitar que fossem fotografados durante o descanso. O presidente chegou a pensar em repetir o destino nos festejos do último ano-novo, mas desistiu porque se recuperava de cirurgia para tratar problema na uretra. Ele passou por três cirurgias no último trimestre do ano: duas urológicas e uma cardíaca.

Fonte: Em

Veja Também

Greve dos caminhoneiros cancela até casamento em Minas Gerais

Foto: Eduardo Araújo Os fornecedores da cerimônia que seria em Sete Lagoas viriam de Belo …