Gianpaolo Smanio tinha tirado inquérito da promotoria para analisar. Ex-governador é investigado por doações nas campanhas de 2010 e 2014.

 

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Poggio Smanio, anunciou nesta terça-feira (15) que o inquérito civil aberto para apurar suspeitas de improbidade administrativa do ex-governador Geraldo Alckmin vai prosseguir na Promotoria do Patrimônio Público e Social da capital paulista.

Alckmin entrou na mira dos promotores paulistas depois que delatores da Odebrecht relataram supostos pagamentos de R$ 10,3 milhões, via caixa 2, durante as campanhas eleitorais para governador de 2010 e 2014.

Na semana passada, o procurador-geral solicitou a “remessa imediata” do inquérito civil para “avaliar e decidir” quem tem a competência para investigar o ex-governador. Segundo o Ministério Público, Smanio atendia a uma solicitação dos advogados de Alckmin. A defesa alegava que o “caso se circunscreve à esfera eleitoral e que a atribuição para investigar eventual improbidade administrativa é do procurador-geral”.

Na ocasião, o promotor Ricardo Manuel Castro, responsável pelo inquérito civil, criticou a solicitação do procurador-geral e disse que “não abdica da sua atribuição”. Castro classificou o pedido de Smanio como “avocação indevida” da investigação e encaminhou uma representação ao Conselho Nacional do Ministério Público, em Brasília, para reaver o inquérito de Alckmin.

Na decisão anunciada nesta terça-feira, o procurador-geral assinalou que sua posição está “amparada em recente do STJ e que ela altera visão consolidada no Ministério Público de São Paulo”.

O inquérito aberto pela Promotoria Eleitoral contra Alckmin, ainda relacionado à delação da Odebrecht, também terá prosseguimento.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Centenas de jornais dos EUA publicam editorial com críticas a Trump por ataques à imprensa

Foto: Reprodução/Internet/BCN Centenas de jornais dos Estados Unidos dedicaram espaço em s…