Home Destaque Tribunal Federal nega dois habeas corpus da defesa de Lula em processo do triplex em Guarujá

Tribunal Federal nega dois habeas corpus da defesa de Lula em processo do triplex em Guarujá

6 primeira leitura
0

OTribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negou, nesta quarta-feira (5), dois pedidos de habeas corpus da defesa do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva que pediam a suspensão do processo sobre o Triplex em Guarujá.

As decisões foram tomadas por três desembargadores federais: João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen, Victor Luiz dos Santos Laus.

No primeiro pedido, os advogados de Lula argumentavam que a ação penal ocorreu “com manifesto atropelo e com a prática de diversas ilegalidades”. Entre elas, estaria a falta de tempo hábil para que a defesa examinasse documentos oferecidos pela “parte adversa minutos antes do interrogatório”, além do indeferimento de provas.

No outro pedido, a defesa do ex-presidente requeria que o processo fosse suspenso até que se apurasse a falsidade nos documentos apresentados pelo ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro.

Esses documentos contêm alegações de que Lula era o dono do triplex e que o valor do imóvel foi descontado da conta de propina da empreiteira. A defesa do petista contesta as acusações e diz que o imóvel pertence a um fundo de investimentos gerenciado pela Caixa Econômica Federal. A instituição financeira afirma que “não é dona dos direitos econômicos e financeiros do apartamento triplex no Guarujá”.

Nas duas votações, os desembargadores analisaram que não houve ilegalidade.

Sobre o processo

O MPF denunciou o ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em 14 de setembro 2016. Seis dias depois, a Justiça aceitou a denúncia, e Lula e outras sete pessoas viraram réus. Entre eles, estava a ex-primeira-dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro deste ano e teve as acusações arquivadas por Moro.

Desde que foi denunciado, Lula tem negado o recebimento de propinas e o favorecimento da OAS na Petrobras. A defesa diz que o MPF não tem provas que sustentem a denúncia.

Segundo advogados, a mulher de Lula tinha uma cota no condomínio do triplex, mas a vendeu quando a OAS assumiu a obra. Eles alegam que Lula e Marisa chegaram a visitar o apartamento citado na denúncia porque planejavam comprá-lo – o que acabou não ocorrendo. A defesa também nega irregularidades no apoio oferecido pela empreiteira para guardar os bens do ex-presidente.

No último dia 10, Lula prestou depoimento ao juiz federal Sérgio Morocomo parte de um dos processos aos quais responde na Operação Lava Jato em Curitiba. Na ocasião, o ex-presidente negou ser dono do triplex e disse que nunca recebeu imóvel da OAS e que não tinha intenção de comprá-lo. Lula confirmou que visitou o imóvel em fevereiro de 2014, porque a empreiteira pretendia vendê-lo para sua família, mas garantiu que não orientou nenhuma reforma no imóvel.

O petista ainda afirmou que Marisa Letícia voltou ao triplex em agosto de 2014, acompanhada do filho. Segundo ele, a sua mulher não gostava de praia, mas queria investir no imóvel. Ele disse que soube da visita dias depois de ter ocorrido e que só conversou com Léo Pinheiro sobre o assunto em duas ocasiões – quando o apartamento foi indicado pelo então presidente da OAS, e quando foi visitar o prédio.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Destaque

Veja Também

Simaria fala sobre novo afastamento dos palcos

A cantora Simaria, que faz dupla com Simone, esclareceu nas redes sociais sobre seu novo p…