Home Bcn Notícias BCN Após falta grave, goleiro Bruno pode ser transferido para presídio em Belo Horizonte

Após falta grave, goleiro Bruno pode ser transferido para presídio em Belo Horizonte

12 primeira leitura
0
0
86

Bruno pode ser transferido para presídio em Belo Horizonte

Jogador está preso em Varginha desde abril de 2017 e foi condenado após usar celular durante trabalho externo; defesa vai recorrer da decisão.

Bruno Fernandes das Dores de Souza pode ser transferido de volta para a região de Belo Horizonte (MG). O goleiro está preso em Varginha (MG) desde abril de 2017, quando havia acertado com o Boa Esporte, time local, e se mudado para a cidade com a esposa, mas foi considerado culpado em uma audiência de justificação e teve uma falta grave atribuída, nesta segunda-feira (11). Na decisão, ele perdeu também o direito à progressão ao regime semiaberto até 2023.

Bruno foi condenado em um processo que analisou a denúncia de que ele havia tido um encontro com mulheres e bebidas alcoólicas em um bar da cidade. Apesar do goleiro ter sido absolvido no Processo Administrativo Disciplinar (PAD) interno do presído, o juiz Tarciso Moreira de Souza, da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha, optou pela reapreciação, em pedido realizado pelo Ministério Público.

No pedido, o MP requereu:

  1. reconhecimento da falta grave e indeferimento do pedido de progressão para o semiaberto;
  2. “realização de exame criminológico para eventual progressão de pena” para o regime semiaberto, o que não foi necessário;
  3. e a transferência de Bruno, visto que ele havia declarado possuir residência na comarca de Belo Horizonte, no que foi atendido.
Goleiro Bruno exercia trabalho externo na Apac de Varginha — Foto: Reprodução/EPTV
Goleiro Bruno exercia trabalho externo na Apac de Varginha (Foto: Reprodução/EPTV)

Denúncia

A denúncia foi feita em uma reportagem que mostrou Bruno na companhia de duas mulheres durante o horário de trabalho externo na Apac. Na mesa em que eles estavam, havia uma lata de cerveja, mas o vídeo não mostra o goleiro ingerindo bebida em nenhum momento. A reportagem também exibiu um diálogo por meio de mensagens em um aplicativo de celular entre o goleiro e as duas mulheres.

No entanto, após o vídeo ser divulgado, a Apac de Varginha, onde Bruno realizava trabalho externo, negou que o local fosse um bar e afirmou que o espaço é usado normalmente pelos detentos, com conhecimento da associação.

O Processo Administrativo Disciplinar então foi realizado, com depoimentos de funcionários e demais envolvidos na denúncia, e Bruno foi absolvido. No entanto, desde então, a decisão era somente administrativa, cabendo à Justiça “a decisão no âmbito processual jurídico”, como afirmou a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) na ocasião.

Apac negou que local em que Bruno teria se encontrado com mulheres seja um bar — Foto: Reprodução EPTV
Apac negou que local em que Bruno teria se encontrado com mulheres seja um bar (Foto: Reprodução EPTV)

Audiência de justificação

Segundo decisão do juiz Tarciso Moreira de Souza, “o simples fato de utilizar aparelho celular, para a finalidade de marcar encontro com pessoa que não faz parte da família, bem como estar, na companhia de pessoas, sejam homens ou mulheres, que não guardam relação com o local em que prestava trabalho externo, estando o reeducando em cumprimento de regime fechado, por si só já configura falta grave”.

O juiz entendeu ainda como falta o fato de Bruno ter não só se comunicado, mas ter contato com pessoas desconhecidas em horário e local sem autorização, assim como o fato de ter aceitado conceder entrevista, também sem autorização, quando abordado no encontro com as mulheres.

Por isso, Bruno foi punido com:

  • perda de 1/6 dos dias remidos (levando em consideração os anteriores à falta);
  • perda do direito de trabalho externo;
  • reconhecimento da falta grave para fins de obtenção de novos benefícios – o que jogou a data para obtenção do direito ao semiaberto para 9 de fevereiro de 2023.
  • pedido de transferência do presídio de Varginha para a comarca de Belo Horizonte.

Com a decisão, Bruno segue no presídio de Varginha até que uma vaga seja obtida. Ele exerce trabalho interno em uma empresa parceira da unidade, onde trabalha com produtos siderúrgicos.

Bruno tem 8 anos, 4 meses e 19 dias de pena cumpridos, sendo que ainda faltam 12 anos, 4 meses e 11 dias da pena total.

Bruno está preso no presídio de Varginha — Foto: Reprodução EPTV
Bruno está preso no presídio de Varginha (Foto: Reprodução EPTV)

Defesa vai recorrer

De acordo com o advogado Fábio Gama Leite, que representa Bruno, a defesa vai recorrer não só da falta grave, mantendo o pedido para que ele possa ter direito à progressão imediata para o regime semiaberto.

“Ele já estava com o semiaberto para 13 de outubro do ano passado. Quando aconteceu a falta, em 18 de outubro, ele já estava aguardando a decisão, inclusive, para o semiaberto”, lamenta o advogado.

Além disso, a defesa vai pedir também que ele continue cumprindo a pena em Varginha e um recurso de agravo da decisão deve ser apresentado ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

“O magistrado argumenta na decisão que o Bruno possui residência em Belo Horizonte. Nós sabemos que não. Pelo menos eu tenho certeza disso. E nós sabemos também que a esposa dele e a filha dele já residem em Varginha desde quando ele se aportou aqui”, alega.

Fábio Gama Leite diz que defesa vai recorrer — Foto: Régis Melo
Fábio Gama Leite diz que defesa vai recorrer (Foto: Régis Melo)

Crimes

Bruno foi condenado pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samúdio e pelo sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. Ele também havia sido condenado por ocultação de cadáver, mas esta pena foi extinta, porque a Justiça entendeu que o crime prescreveu. As penas somadas chegaram a 20 anos e 9 meses de prisão.

Em 2017, o goleiro chegou a ser solto por uma liminar do Superior Tribunal Federal (STF) e voltou a jogar futebol, atuando no Módulo 2 do Campeonato Mineiro pelo Boa Esporte, mas depois teve a medida revogada e um pedido de habeas corpus negado. Em 27 de abril de 2017, Bruno se apresentou à polícia em Varginha, onde foi preso e levado para o presídio da cidade.

Em junho de 2018, ele passou a trabalhar na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) da cidade, após decisão da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais. Desde então, cumpria pena e trabalhava na unidade, mas teve o direito cassado quando a denúncia veio a público e voltou a ficar somente no presídio.

Eliza Samúdio e o ex-goleiro Bruno — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/TV Globo
Eliza Samúdio e o ex-goleiro Bruno (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/TV Globo)

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por BCN

Deixe uma resposta

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

60ª fase da Lava Jato: PF prende Paulo Preto e mira Aloysio Nunes

Ao todo, 46 agentes cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão em São Paulo A Políc…