Capa do álbum 'De pé no chão', de Beth Carvalho (Foto: Ivan Klingen)

A partir do próximo sábado, 1º de setembro, Beth Carvalho se une ao grupo Fundo de Quintal em show inédito que celebra os 40 anos de um dos álbuns mais referenciais da discografia da cantora carioca, De pé no chão, lançado em 1978 pela extinta gravadora RCA-Victor.

A comemoração das quatro décadas do disco será estendida em setembro com o relançamento do álbum em edição digital e em LP. Infelizmente, não está prevista nova edição em CD desse álbum antológico. A única edição em CD foi lançada em 1995 e já se encontra fora de catálogo há mais de 20 anos.

De pé no chão é álbum fundamental da obra fonográfica de Beth Carvalho e um dos discos mais importantes da história do samba. Nele, Beth apresentou ritmistas inovadores que já se aglutinavam na quadra do bloco carioca Cacique de Ramos e que formariam, de forma oficial, o grupo Fundo de Quintal a partir de 1980.

Capa do álbum 'De pé no chão', de Beth Carvalho (Foto: Ivan Klingen)

Capa do álbum ‘De pé no chão’, de Beth Carvalho (Foto: Ivan Klingen)

 

A inovação se deu porque, até então, o samba era usualmente tocado e gravado com instrumentos como tamborim, pandeiro e cavaco (de toque recorrente no disco). A turma do Cacique de Ramos trouxe para a cozinha – comandada no disco de Beth por Bira Presidente, Hélio Caneca, Neoci Dias (um dos autores de Vou festejar, o grande sucesso do LP) , Ubirany, entre outros – instrumentos então novos como o tantã (idealizado por Sereno) e o repique-de-mão (inovação feita com o toque de Ubirany), além do banjo que havia sido criado por Almir Guineto (1946 – 2017), com o auxílio luxuoso de Mussum (1941 – 1994), ator e humorista que tocava no grupo Os Originais do Samba.

Com o samba original do álbum De pé no chão, Beth Carvalho mostrou ao Brasil pela primeira vez o som dos pagodes cariocas que projetariam, na década de 1980, nomes como Zeca Pagodinho.

Embora o repertório do álbum De pé no chão tenha abarcado músicas de compositores da velha guarda do samba como Nelson Cavaquinho (1911 – 1986) e Cartola (1908 – 1980), a quem Beth dedicou o disco, o mote e o motor desse repertório foram pagodes e partidos altos como Ô Isaura (Rubens da Mangueira), Marcando bobeira (João Quadrado, Beto Sem Braço e Dão) e Goiabada cascão (Wilson Moreira e Nei Lopes).

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…