Empresária alega ter contratado o parlamentar para fazer um show na Festa do Orgulho Gay de Brasília. Frota teria recebido R$ 2 mil reais adiantados, mas faltado ao evento

Uma empresária que organiza festas gays em Brasília tenta bloquear na Justiça parte do salário do deputado Alexandre Frota (PSL-SP) por suposto calote em evento de 2006. Nice Pereira alega ter contratado o parlamentar, que, à época, atuava como ator pornô, para fazer um show na Festa do Orgulho Gay de Brasília. Segundo a empresária, Frota recebeu R$ 2 mil reais adiantados, mas não apareceu no compromisso.

As informações são do colunista Guilherme Amado, da Revista Época, e foram confirmadas pelo Correio com o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), que enviou ofício à Câmara no mês passado pedindo informações sobre o salário de Frota como parlamentar. Nem o deputado nem qualquer advogado dele se manifestaram neste caso. O jornal tentou entrar em contato com a assessoria de Alexandre Frota, mas a equipe não atendeu às ligações.

Salário retido

A peça, de número 2007.01.1.097.268-2, pede R$ 41.522,10 em indenizações. Frota foi condenado pela Justiça a pagar R$ 30 mil por danos materiais mas, segundo a defesa, a Justiça teve dificuldade em encontrá-lo. O deputado mudou de endereço e de emprego diversas vezes. O valor estabelecido pelo tribunal foi corrigido e já ultrapassa R$ 80 mil.

O caso voltou à tona depois que Alexandre Frota tomou posse como deputado. Nice, que é proprietária da Agita Produções e Promoções de Eventos Culturais Ltda, achou que receberia os dividendos e conseguiria encerrar o caso. Mas em resposta ao ofício do TJDFT, a Câmara afirma que 30% do salário de Frota é retido na fonte devido a uma condenação judicial de São Paulo. O parlamentar tem, ainda, uma dívida no Banco Econômico.

À coluna da Época, Nice disse que não vai desistir do prejuízo e afirmou que, se necessário, vai recorrer ao Supremo Tribunal de Justiça (STF) para resolver a questão. O Correio tentou contato com o advogado dela, André Filgueiras Noschese Guerato, mas ele não foi encontrado no escritório em que trabalha. Fonte: Correio Braziliense

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por BCN

Veja Também

Transporte público funciona parcialmente em dia de paralisação

Manifestantes voltam às ruas do país Diversas cidades brasileiras registram hoje (14) mani…