Home Cidade Caso Vitória: mandante queria que fosse “apenas um susto”

Caso Vitória: mandante queria que fosse “apenas um susto”

4 primeira leitura
0

Vitória foi morta em 8 de junho e deixada em um matagal em Araçariguama (SP) Foto: Reprodução

A vítima original deveria apenas tomar um susto em uma ação de cobrança de dívida do tráfico de drogas. Vitória teria morrido por engano

 

 

A menina que seria o alvo da ação de traficantes em uma cobrança de dívida deveria “apenas tomar um susto”. Isso é o que revelou à Polícia Civil uma das testemunhas do caso da menina Vitória, que acabou sendo confundida e assassinada na cidade de Araçariguama (SP).Segundo depoimento desta testemunha ao DHPP (Departamento de Homícidios e Proteção à Pessoa), o mandante seria um traficante que contratou o casal Bruno Marcel de Oliveira e Mayara Borges de Abrantes para “dar um susto” na irmã de um homem que tinha uma dívida de R$ 7.000 em drogas.

De acordo com o depoimento, além de Vitória ter sido morta por engano, o casal tambémnão teria a ordem de matar o verdadeiro alvo da cobrança.

A menina que seria alvo da ação teria muita semelhança com Vitória. O mandante já teria sido identificado pela Polícia Civil e existe a suspeita de que ele já esteja cumprindo pena em uma penitenciária. A ordem de cobrança teria saído de dentro do presídio.

O resultado das investigações deve ser apresentado ao MP (Ministério Público) nesta sexta-feira (6). Três pessoas já estão presas suspeitas de participarem do crime, entre elas o pedreiro Júlio César Lima Ergesse e o casal Bruno Marcel de Oliveira e Mayara Borges de Abrantes.

Vitória desapareceu no último dia 8 de junho, depois de sair de casa para andar de patins, em Araçariguama, interior de São Paulo. O corpo foi encontrado oito dias depois, em uma mata, à margem da astrada de Aparecidinha, no bairro do Caxambu. A polícia ainda investiga as motivações para o crime.

Outro lado

O casal Bruno Marcel de Oliveira e Mayara Borges de Abrantes foi questionado pela Record TV sobre a participação no crime e alegou que não possui nenhum envolvimento e diz ser inocente no caso. O advogado do casal, Jairo Coneglian, reconheceu que os dois seriam usuários de drogas, mas nega qualquer envolvimento na morte de Vitória.

Já a defesa do pedreiro Júlio César Lima Ergesse não foi localizada.

Fonte: R7
Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Cidade

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…