Em entrevista, o candidato à Presidência disse que a fama de “pavio curto” não condiz com a história política dele

 

 

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, negou que tenha temperamento difícil mas disse, no entanto, que não tem “sangue de barata”. Em entrevista ao Jornal da Globo, exibida na madrugada desta terça-feira, 18, o pedetista também não poupou críticas ao concorrente Fernando Haddad (PT) e ao vice de Jair Bolsonaro (PSL), General Hamilton Mourão (PRTB), e fez acenos ao eleitorado de esquerda.

Questionado sobre o desentendimento que teve com um jornalista durante uma agenda pública em Boa Vista (RR), Ciro disse que a fama de “pavio curto” não condiz com a história política dele.
Continua depois da publicidade

A discussão entre Ciro e o jornalista Luiz Petri ocorreu no sábado, 15. Questionado por Petri sobre suas críticas a brasileiros que entraram em confronto com venezuelanos que fugiram para o Brasil, o pedetista reagiu e xingou o repórter.

“Eu não tenho descontrole nenhum, mas não tenho sangue de barata. Mas eu fui avisado que o Romero Jucá pagou alguém para me questionar. O ‘cabra’ tentou colar um adesivo do (Jair) Bolsonaro em mim, depois veio com aquela pergunta e eu dei um empurrão nele. Agora, em legítima defesa, eu falo palavrões”, afirmou o candidato.

Ciro relembrou ainda polêmicas da campanha de 2002, quando foi candidato à Presidência pela última vez e foi criticado por ter chamado o ouvinte de uma rádio de “burro”.

“Me aponte um desatino na minha vida pública. Ninguém pode me chamar de ladrão, de incompetente, e daí ficam falando que eu sou descontrolado, ficam relembrando entrevista de 16 anos atrás”, afirmou o pedetista. “Aí eu não posso dizer que tem burro no Brasil. Mas tem. Veja só este general (Hamilton) Mourão. Hoje ele falou que casa com mãe e avó é de desajustado. Ele é um jumento de carga. Eu disse isso já e repito.”

Essa é a terceira vez que Ciro usa a expressão para classificar Mourão. A primeira foi durante evento com militares na quarta-feira, 12, e a segunda em sabatina no jornal O Globo, na quinta-feira, 13.

O pedetista defendeu mais uma vez que o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, se limite a não tratar do processo eleitoral. “Eu tive uma conversa com Villas Bôas no começo do processo eleitoral na casa dele, porque não achava adequado no quartel-general em Brasília. E avisei a ele sobre as intenções do Mourão”, afirmou, acrescentando que respeita a pessoa de Villas Bôas.

PT e Congresso

Na entrevista, Ciro voltou a criticar Haddad pelo desempenho eleitoral em 2016, quando o petista perdeu o comando da Prefeitura de São Paulo para João Doria (PSDB) no primeiro turno.

“O (Antonio) Palocci foi escolha do Lula. A Dilma (Rousseff) foi escolha do Lula. O Michel Temer foi escolha do Lula. E agora o Haddad foi escolhido pelo Lula. Eu não tenho nada contra o Haddad, ele é meu amigo pessoal, mas teve 16% dos votos em 2016, perdeu em todas as regiões”, disse o pedetista.

Ele tentou ainda não criticar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Me sinto um covarde de atacar o presidente Lula, porque ele está preso”, disse.

Leia também: Pesquisas apontam segundo turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad

Posteriormente, ele disse que Lula não sabia do esquema do mensalão do PT, mas que no caso do petrolão o ex-presidente sabia que haviam “pessoas que estavam procurando indicações para roubar”.

Apesar do tom crítico, Ciro acenou ao eleitorado de esquerda ao dizer que o Brasil está “sob um golpe de Estado” e que foi refém de “dois bandidos, como o Temer e o Eduardo Cunha”.

Ciro disse ainda que sua história política prova que ele sabe “negociar com o Congresso”. “Fui deputado estadual, federal, prefeito, ministro da Fazenda e da Integração Nacional. Sei lidar com o Congresso. Mas espero que a população reflita. Estou ajudando o povo brasileiro a amadurecer o seu voto também para deputado e senador”, afirmou.

Fonte: Correio Braziliense

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Agência revela que divulgou campanha de Bolsonaro nas eleições por App

Empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para fazer, pelo What…