Comissão inocenta juíza em caso de advogada algemada no Rio

3 primeira leitura
0

O entendimento da comissão é que advogada foi imobilizada para sua própria segurança

 

A comissão judiciária que analisou o caso da advogada Valéria Lucia dos Santos, algemada por policiais militares em uma audiência em Duque de Caxias (RJ), concluiu que o procedimento foi tomado para sua própria segurança. A informação foi divulgado pela coluna de Monica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

O entendimento da comissão é que a advogada “se jogou no chão” e foi “momentaneamente” imobilizada para ser retirada de maneira segura. A juíza leiga Ethel Tavares de Vasconcelos, que teria chamado a PM para retirar Valéria da sala, foi inocentada de qualquer tipo de abuso. Foram ouvidos estagiários, outros advogados e os envolvidos no caso.

“Não vislumbro prática de qualquer desvio funcional dos servidores envolvidos e da advogada juíza leiga Ethel Tavares de Vasconcelos”, diz o desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto, do Tribunal de Justiça do Rio, na conclusão da investigação do caso.

Segundo o desembargador, a versão de Valéria, de que levou uma rasteira antes de ser algemada, está “em colisão com todo o restante da prova”. Diz também que embora seja uma “imagem forte” a de Valéria algemada, que se espalhou pela internet, “não se pode emprestar maior significado do que o que realmente revê”.

A conclusão da comissão é contrária à acusação feita pela OAB-RJ, que criticou o episódio e afirmou que “nem na época da ditadura se prendia, algemava e jogava no chão um advogado dentro da sala de audiência. É um absoluto desrespeito ao Estado democrático de direito e à advocacia. Isso causa muita preocupação”.

Fonte: Correio 24 horas

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Investigação não encontrou evidências de que Trump obstruiu inquérito sobre Rússia, diz Barr

O secretário de Justiça e procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, disse nesta q…