Home Bcn Notícias BCN Como chegam os protagonistas da reunião do G20

Como chegam os protagonistas da reunião do G20

8 primeira leitura
0

O presidente americano Donald Trump e seu colega chinês, Xi Jinping, em Pequim em 8 de novembro de 2017

  • ALEMANHA –

Ao contrário do G20 de Hamburgo em 2017, a chanceler alemã, Angela Merkel, está mais enfraquecida no cenário internacional, no final de seu ciclo político. Com um crescimento esperado do PIB de 1,8% em 2018 e 2019, e uma taxa de desemprego historicamente baixa (5%), a Alemanha se mostra sólida em parte graças aos elevados excedentes comerciais. Consciente de sua economia exportadora, Merkel, contrária a qualquer medida que possa abalar o livre comércio, deve defender mais uma vez o multilateralismo em Buenos Aires.

Continua depois da publicidade

  • ARÁBIA SAUDITA –

Mohamed bin Salman chega precedido pelo escândalo da morte do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul, que abala sua imagem internacional. A ONG Human Rights Watch pediu a Argentina que inicie um processo contra o príncipe herdeiro por esta questão e pela guerra no Iêmen. Em Buenos Aires, se reunirá pela primeira vez com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan. Em 2020 Riad será anfitriã do G20.

  • ARGENTINA –

O presidente Mauricio Macri recebe os líderes das potências globais enquanto seu país, a terceira maior economia da América Latina, enfrenta uma profunda crise econômica, com uma inflação anual de 45% e uma recessão que enfraqueceram o governo. Em um contexto de crise do multilateralismo, a presidência argentina do G20 espera encontrar pontos de consenso para a declaração final.

  • BRASIL –

O impopular presidente Michel Temer, em final de mandato, viajará a Buenos Aires. Todos os olhos estão voltados para o presidente eleito Jair Bolsonaro, que assumirá o governo em 1 de janeiro com uma proposta de governo ultraliberal, que deve dar as costas ao multilateralismo. Embora tenha sido convidado por Temer ao G20, o futuro presidente da maior economia da América Latina não aceitou por motivos de saúde.

  • CHILE –

O presidente Sebastián Piñera, um empresário bilionário, defende o livre comércio e se opõe a qualquer forma de protecionismo. Ele propõe fortalecer a economia digital e a sociedade do conhecimento e informação. O Chile comparece ao G20 como país convidado.

  • CHINA –

O presidente chinês, Xi Jinping, será um dos protagonistas: se reunirá com Donald Trump em meio a uma escalada de represálias tarifárias entre Pequim e Washington que abala a economia global. Xi defende o multilateralismo e se opõe ao protecionismo. Mas americanos e europeus denunciam os muitos obstáculos que suas empresas enfrentam no gigante asiático, assim como práticas desleais.

  • ESTADOS UNIDOS –

Dez anos depois da primeira cúpula do G20 que prometeu defender o multilateralismo, Donald Trump viaja a Buenos Aires como promotor do “America First” (“Estados Unidos primeiro”). Em várias reuniões bilaterais buscará impor sua agenda. Sobre a China, seu governo afirmou que há “boas possibilidades” de alcançar um acordo sob certas condições. Como sempre, as ações do imprevisível presidente americano serão escrutadas: no G7 no Canadá, Trump rejeitou no último momento o comunicado final.

  • FRANÇA –

Em um G20 que parece “conflituoso”, o presidente Emmanuel Macron se esforçara para avançar com uma reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC) e preservar o Acordo de Paris sobre o clima, apesar das tensões entre China e Estados Unidos que podem dominar o encontro. Sua reunião com Trump promete ser fria.

  • MÉXICO –

O presidente mexicano Enrique Peña Nieto entrega o cargo no dia 1 de dezembro ao esquerdista Andrés Manuel López Obrador. Mas não passará despercebido, pois à margem do encontro deve acontecer a assinatura do novo tratado de livre comércio entre México, Estados Unidos e Canadá, que substituirá o Nafta. Além disso, o país é cenário de uma onda migratória de centro-americanas, que avança rumo aos Estados Unidos.

  • REINO UNIDO –

Na primeira viagem de um chefe de Governo britânico a Argentina desde a Guerra das Malvinas em 1982, Theresa May provavelmente terá os pensamentos voltados para Londres. A primeira-ministra conservadora enfrenta uma votação crucial (em 11 de dezembro) no Parlamento sobre o acordo para o Brexit, ameaçado por alguns deputados céticos. Após a saída da UE, Londres dependerá muito de um acordo de livre comércio com os Estados Unidos.

  • RÚSSIA –

Com uma economia estabilizada desde a crise de 2014-2015 (baixa inflação, déficit controlado), o presidente Vladimir Putin também será uma figura chave, pois seu país está no centro dos principais problemas internacionais: a guerra na Síria, a crise com a Ucrânia e as tensões Rússia-EUA. Em um momento de escalada entre Moscou e Kiev, Putin deve se reunir com Trump.

Fonte: AFP

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por BCN

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…