Home Brasil Congresso mantém vetos a projeto que alterou regras de órgãos de controle para fiscalizar agentes públicos

Congresso mantém vetos a projeto que alterou regras de órgãos de controle para fiscalizar agentes públicos

4 primeira leitura
0

Foto: Marcos Oliveira

Proposta foi parcialmente vetada por Temer em abril, após Ministério Público e Tribunal de Contas da União manifestarem preocupação com impacto da proposta na atuação de órgãos de controle.

 

 

O plenário do Congresso Nacional manteve, nesta terça-feira (26), os vetos do presidente Michel Temer ao projeto que alterou a Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro.

Na prática, a proposta mudou as regras aplicadas por órgãos de controle para acompanhar e, eventualmente, punir ações irregulares de agentes públicos.

Durante a tramitação da proposta no Congresso, antes da sanção presidencial, o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União demonstraram preocupação com alguns pontos do texto.

O MP e o TCU consideraram que a proposta, da forma como aprovada pelos parlamentares, poderia ter impactos na atuação de órgãos de controle da Administração Pública e do Poder Judiciário.

Entre os pontos mais polêmicos, estão dois artigos. Um deles é o que previa a possibilidade de proposição de uma ação declaratória de validade de atos, contratos ou normas administrativas.

Essa ação, uma vez julgada no Poder Judiciário, teria efeitos para todos e eficácia de “coisa julgada” – ou seja, não pode ser modificada posteriormente pela apresentação de recursos.

Na visão do TCU, esse artigo permitiria a validação, pela Justiça, de atos ou contratos administrativos que não mais poderiam ser investigados ou contestados. O veto a esse artigo foi mantido pelos congressistas.

Outro artigo polêmico determinou que o agente público só responderá pessoalmente por suas decisões ou opiniões técnicas em caso de erro grosseiro ou intenção de cometer uma irregularidade.

O presidente Michel Temer vetou os parágrafos que se seguiam ao artigo, que restringiam o conceito de “erro grosseiro”.

O trecho vetado não considerava “erro grosseiro” a decisão baseada em jurisprudência ou doutrina ainda não pacificadas, ou seja, não totalmente aceitas por órgãos de controle ou judiciais. O veto a esses parágrafos também foram mantidos.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Brasil

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…