Home Bcn Corpo do jornalista Gil Gomes é enterrado em Guarulhos

Corpo do jornalista Gil Gomes é enterrado em Guarulhos

6 primeira leitura
Comentários desativados em Corpo do jornalista Gil Gomes é enterrado em Guarulhos
0
135

O jornalista conhecido pelas crônicas policiais morreu na madrugada desta terça (16). Ele enfrentava um câncer de pâncreas e tinha sido diagnosticado com Mal de Parkinson.

 

O corpo do jornalista Gil Gomes, de 78 anos, foi enterrado no fim da manhã desta quarta-feira (17) no Cemitério Vertical de Guarulhos, na Grande São Paulo. O velório foi realizado durante a madrugada na Capela Obelisco, em frente ao Parque Ibirapuera, na Zona Sul da capital.

Gil Gomes morreu na madrugada de terça-feira (16) no Hospital São Paulo, na Vila Clementino, Zona Sul. Ele enfrentava um câncer de pâncreas e há mais de dez anos tinha sido diagnosticado com Mal de Parkinson.

Na noite de segunda (15), o jornalista passou mal em sua casa, no bairro Jardim da Saúde, Zona Sul da capital. Ele foi socorrido por equipe do Samu e levado para o pronto-socorro. Ele deixa 4 filhos e 9 netos.

“Quando a gente está com pessoas queridas a volta, pessoa que amam, às vezes a dor ameniza muito mais. e ele estava com os familiares, os amigos, os colegas de trabalho, Eu acredito que isso possa, que isso veio a amenizar muito a dor que ele estava sentindo. o amor é o carinho que todos deram a ele”, afirmou Daniel Gil Gomes, filho do jornalista.

O local definido para o velório, embaixo do Obelisco, um dos símbolos da cidade de São Paulo, se deve ao fato de o pai e o sogro de Gil Gomes terem lutado na Revolução Constitucionalista de 1932.

Gil Gomes em 2002 — Foto: Agliberto Lima/Estadão Conteúdo

Gil Gomes em 2002 (Foto: Agliberto Lima)

Perfil de Gil Gomes

Paulistano da Mooca, Cândido Gil Gomes Jr. nasceu em 1940. Dono de uma voz potente, começou a carreira jornalística aos 18 anos, em uma rádio, como locutor esportivo narrando jogos de futebol na rádio Progresso. Foi ouvindo os locutores de rádio e narrando futebol que ele conseguiu superar a gagueira.

Na época, não pensava em cobrir crimes. “Polícia sempre me cheirara a coisa de mundo cão”, disse em entrevista à “Folha de S.Paulo” em 2008.

A entrada no “mundo cão” ocorreu em 1968, na Rádio Marconi. Lá, deixou a crônica esportiva para cobrir reportagens de temas variados. Se destacou ao cobrir, ao vivo, um caso de agressão sexual ocorrido no prédio onde trabalhava.

Jornalista e radialista Gil Gomes — Foto: Reprodução/TV Globo

Jornalista e radialista Gil Gomes (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

A partir daí, aprimorou a narrativa que o marcou na crônica policial brasileira.Dez anos depois, mais experiente, passou por vários rádios, inclusive a Rádio Globo.

Nos anos 90 integrou a equipe do popular “Aqui Agora”, do SBT. Manteve no vídeo a entonação de suspense que criou no rádio, acrescentando ao estilo um gesto circular que fazia com a mão e camisas com estampas coloridas. Depois do “Aqui Agora”, trabalhou em outras emissoras.

Gil Gomes ficou afastado da TV por mais de 10 anos devido a problemas de saúde relacionados ao Mal de Parkinson, doença diagnosticada em 2005. Em 2016, aos 76 anos, foi convidado a participar com comentários em um programa de TV patrocinado por uma rede de farmácias.

Gil Gomes — Foto: Reproduções/TV Globo

Gil Gomes (Foto: Reproduções/TV Globo)

 

Entrada da Capela do Obelisco, na Zona Sul de São Paulo, local do velório de Gil Gomes — Foto: Paula Paiva Paulo/G1

Entrada da Capela do Obelisco, na Zona Sul de São Paulo, local do velório de Gil Gomes  (Foto: Paula Paiva Paulo)

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn
Comentários estão fechados.

Veja Também

60ª fase da Lava Jato: PF prende Paulo Preto e mira Aloysio Nunes

Ao todo, 46 agentes cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão em São Paulo A Políc…