O jornalista conhecido pelas crônicas policiais morreu na madrugada desta terça (16). Ele enfrentava um câncer de pâncreas e tinha sido diagnosticado com Mal de Parkinson.

 

O corpo do jornalista Gil Gomes, de 78 anos, foi enterrado no fim da manhã desta quarta-feira (17) no Cemitério Vertical de Guarulhos, na Grande São Paulo. O velório foi realizado durante a madrugada na Capela Obelisco, em frente ao Parque Ibirapuera, na Zona Sul da capital.

Gil Gomes morreu na madrugada de terça-feira (16) no Hospital São Paulo, na Vila Clementino, Zona Sul. Ele enfrentava um câncer de pâncreas e há mais de dez anos tinha sido diagnosticado com Mal de Parkinson.

Na noite de segunda (15), o jornalista passou mal em sua casa, no bairro Jardim da Saúde, Zona Sul da capital. Ele foi socorrido por equipe do Samu e levado para o pronto-socorro. Ele deixa 4 filhos e 9 netos.

“Quando a gente está com pessoas queridas a volta, pessoa que amam, às vezes a dor ameniza muito mais. e ele estava com os familiares, os amigos, os colegas de trabalho, Eu acredito que isso possa, que isso veio a amenizar muito a dor que ele estava sentindo. o amor é o carinho que todos deram a ele”, afirmou Daniel Gil Gomes, filho do jornalista.

O local definido para o velório, embaixo do Obelisco, um dos símbolos da cidade de São Paulo, se deve ao fato de o pai e o sogro de Gil Gomes terem lutado na Revolução Constitucionalista de 1932.

Gil Gomes em 2002 — Foto: Agliberto Lima/Estadão Conteúdo

Gil Gomes em 2002 (Foto: Agliberto Lima)

Perfil de Gil Gomes

Paulistano da Mooca, Cândido Gil Gomes Jr. nasceu em 1940. Dono de uma voz potente, começou a carreira jornalística aos 18 anos, em uma rádio, como locutor esportivo narrando jogos de futebol na rádio Progresso. Foi ouvindo os locutores de rádio e narrando futebol que ele conseguiu superar a gagueira.

Na época, não pensava em cobrir crimes. “Polícia sempre me cheirara a coisa de mundo cão”, disse em entrevista à “Folha de S.Paulo” em 2008.

A entrada no “mundo cão” ocorreu em 1968, na Rádio Marconi. Lá, deixou a crônica esportiva para cobrir reportagens de temas variados. Se destacou ao cobrir, ao vivo, um caso de agressão sexual ocorrido no prédio onde trabalhava.

Jornalista e radialista Gil Gomes — Foto: Reprodução/TV Globo

Jornalista e radialista Gil Gomes (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

A partir daí, aprimorou a narrativa que o marcou na crônica policial brasileira.Dez anos depois, mais experiente, passou por vários rádios, inclusive a Rádio Globo.

Nos anos 90 integrou a equipe do popular “Aqui Agora”, do SBT. Manteve no vídeo a entonação de suspense que criou no rádio, acrescentando ao estilo um gesto circular que fazia com a mão e camisas com estampas coloridas. Depois do “Aqui Agora”, trabalhou em outras emissoras.

Gil Gomes ficou afastado da TV por mais de 10 anos devido a problemas de saúde relacionados ao Mal de Parkinson, doença diagnosticada em 2005. Em 2016, aos 76 anos, foi convidado a participar com comentários em um programa de TV patrocinado por uma rede de farmácias.

Gil Gomes — Foto: Reproduções/TV Globo

Gil Gomes (Foto: Reproduções/TV Globo)

 

Entrada da Capela do Obelisco, na Zona Sul de São Paulo, local do velório de Gil Gomes — Foto: Paula Paiva Paulo/G1

Entrada da Capela do Obelisco, na Zona Sul de São Paulo, local do velório de Gil Gomes  (Foto: Paula Paiva Paulo)

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Transporte público funciona parcialmente em dia de paralisação

Manifestantes voltam às ruas do país Diversas cidades brasileiras registram hoje (14) mani…