Filas gigantescas no Colégio Estadual Luiz Viana, no bairro de Brotas

Cidadãos creditam demora à lentidão na fila e a problemas na biometria

 

“Eu nunca vi tantas filas como estou vendo agora”. Essa frase sintetizou o sentimento de muitos eleitores que foram aos colégios eleitorais na manhã deste domingo (7) para votar.

As filas gigantes fizeram os ânimos esquentarem no Colégio Estadual Mário Augusto Teixeira de Freitas, em Nazaré. O acúmulo de seções numa mesma sala, junto com as dificuldades na biometria, fez as pessoas se irritarem. Após mais de 2h desde o início da votação, muitos eleitores ainda não tinham conseguido exercer seu direito e, impacientes, começaram a gritar na fila. Alguns chegaram a bater nos vidros das janelas para que a fila andasse. Com os ânimos exaltados, dois policiais militares foram chamados para conter os eleitores que gritavam.

“Bora, bora, essa fila tem que andar”, gritou uma eleitora, que foi acompanhada por toda fila. A sala acumula as seções 26ª, 32ª e 236ª. A 26ª é para eleitores que têm prioridade, como idosos, gestantes, lactantes e deficientes físicos. Na fila, eleitores relataram que apenas as pessoas com prioridade estavam entrando, visto que a seção 26ª, era dedicada apenas a elas e funcionava na mesma sala.

A PM foi acionada no Colégio Mário Augusto Teixeira de Freitas, em Nazaré, para conter os ânimos
(Foto: Amanda Palma)

Já dentro da sala, o sistema de biometria não estava funcionando com a maior parte dos cidadãos, o que atrasou ainda mais. “Eles ficam tentando fazer a biometria de qualquer jeito. Tenta uma vez, duas, três, limpam o leitor, e não param de tentar”, contou a secretária Márcia Alves, que esperava a filha votar. Na seção dela, a 23a, não houve dificuldade. “A mesária ficou até espantada que a minha biometria pegou porque a de ninguém estava funcionando. Mesmo assim, lá foi bem rápido”, disse.

O eletricista Sivaldo Silva dos Santos, 39 anos, aguardava sem paciência o filho Elivelton Santos, que ainda não tinha conseguido votar. Eles chegaram juntos às 8h no colégio e até às 10h30 Elivelton não tinha conseguido. “Eu votei em 10 minutos e ele continua aí na fila, esperando. É uma falta de respeito com os eleitores. A gente sempre votou aqui e nunca aconteceu isso. É um absurdo”, disse Sivaldo. Já Valdirene Pereira Reis reclamou da falta de organização.

“Colocaram várias seções juntas e só tem uma urna para atender todo mundo. Não adianta. A gente veio cedo de Castelo Branco para votar aqui porque lá não tinha mais escola, e agora temos que ficar esse tempo todo esperando”, reclamou Valdirene.

O representante comercial Alan Delano, 43 anos, queria muito votar nesse domingo, tanto que suportou passar 1h na fila da 15ª seção, no Colégio Mário Augusto Teixeira de Freitas, em Nazaré, para conseguir exercer seu direito. “Quando cheguei tinham umas 15 pessoas na fila. Como são muitos candidatos, as pessoas demoram mais na cabine, fora as pessoas que têm prioridade e passam na frente. Mas não tem jeito, a gente tem que esperar e votar mesmo”, contou.

Filas em vários colégios
Os eleitores da Faculdade de Educação (Faced), da Universidade Federal da Bahia (UFBA) também tiveram dificuldade em votar neste domingo. A votação na sala onde estavam as seções 17ª, 18ª e 19ª começou com 40 minutos de atraso após a urna não funcionar.

Além disso, o sistema de biometria também não funcionou bem. “A biometria não está funcionando direito e isso também atrasa. Estamos já há 1h dentro da sala e ainda não conseguimos votar. Pelo menos já nos avisaram quando chegamos”, contou o advogado Sérgio Gustavo. Essa foi a primeira eleição em que as três seções foram colocadas no mesmo espaço.

Já no Colégio Estadual Luiz Viana, as filas se misturavam nos pavilhões A e B. Muitos eleitores perdidos tentavam encontrar os finais das filas de suas seções. As filas intermináveis fizeram algumas pessoas passarem mais de 2h para conseguir votar, como a dona de casa Dalva Ferreira dos Santos, 52 anos. Apesar de o colégio ser o maior de Salvador, ela conta que nunca passou tanto tempo para conseguir exercer o direito.

“Há 4 anos foi muito mais rápido. Eu cheguei e não tinha ninguém. Dessa vez, tinham muitas pessoas na fila, passei 2h para conseguir votar. Foi tanto tempo que uma moça que estava ao lado, passou mal e desmaiou. A pressão baixou e ela não aguentou o calor”, contou.

A eleitora Vânia Toledo desistiu de votar pela manhã. Segundo ela, a seção onde vota, a 19ª, tinha quatro filas para entrar na sala. “Parece que eles colocaram todas as pessoas na mesma seção. Eu sempre votei nessa e nunca peguei tanta fila. Eu vou desistir. De tarde eu vou ver se volto, mas não vou ficar aqui nessa fila grande”, disse.

Biometria falha
A eleitora Maria Eunice da Cruz, 52 anos, não conseguiu votar com a biometria no Colégio Central. A ela, a mesária explicou que seus dedos estavam muito oleosos e por isso não conseguia fazer a captura. Sem a biometria, Maria votou como nos outros anos: assinando a lista de presença. “Quando eu fiz a captura da biometria não tive nenhuma dificuldade, mas hoje, tentaram algumas vezes em alguns dedos, mas não consegui. Aí, assinei o papel mesmo”, contou.

Para conseguir votar em trânsito, o estudante Caíque Souza, 21 anos, passou 20 minutos na fila da 4a seção. “Eu não tive dificuldade com a biometria, mas passei um bom tempo para conseguir entrar na sala. Com o voto em trânsito foi tudo tranquilo. Essa foi a primeira vez que votei em trânsito”, disse.

Claudio Costa, 66 anos, foi mais um eleitor no Central que não conseguiu votar usando a biometria. “Tentaram uns três dedos meus, mas não conseguiram identificar a digital. Aí tive que assinar o papel mesmo”, contou. A seção na qual ele vota é tranquila, e o motivo da demora foi realmente a biometria. “Quando cheguei não tinha fila nenhuma, só demorei mesmo por causa da biometria”, completou.

TRE previu filas
Em nota, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) justificou o tamanho das filas por causa das filas estava prevista. “O TRE-BA pede ainda a compreensão dos eleitores dos 55 municípios que passaram pela revisão biométrica e esclarece que a formação de filas foi prevista pelo órgão que se antecipou em alertar a população para que buscasse previamente informações quanto aos locais de votação e procurassem chegar às respectivas seções eleitorais com antecedência”, disse.

Ainda de acordo com o órgão, a quantidade de cargos no quais os eleitores devem votar também contribui para o tamanho das filas. Os eleitores podem chegar até as 17h aos colégios eleitorais.

Fonte: Correio 24 horas

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn