Dinheiro para operação foi arrecadado em campanhas nas redes sociais. Médico que vai operá-las atualmente trabalha na Inglaterra, mas deve se mudar para a Itália, seu país de origem.

As famílias de Francisco, de 5 anos, e Isabela, de 12 anos, continuam aguardando a data da cirurgia das crianças na Europa. O médico que vai operá-las atualmente trabalha na Inglaterra, mas deve se mudar para a Itália, seu país de origem. Elas nasceram com uma malformação que se chama gastrosquise. O intestino dos dois estava para fora do corpo quando eles nasceram. As famílias fizeram campanhas e conseguiram arrecadar o dinheiro necessário.

Família do menino Chico fez doação de R$ 40 mil para Isabela fazer cirurgia (Foto: Gláucia Marina Ramos Diringer/Arquivo Pessoal)

Família do menino Chico fez doação de R$ 40 mil para Isabela fazer cirurgia (Foto: Gláucia Marina Ramos Diringer/Arquivo Pessoal)

Eles precisam se alimentar por um cateter, que aumenta o risco de infecções e, por isso, os pais têm pressa. As famílias explicaram que o médico que vai operá-las é italiano e trabalha na Inglaterra. Mas com a saida do país da comunidade europeia, o local da cirurgia ainda está indefinido.

“Ele entrou em contato e disse que até o final de novembro vai definir quando a cirurgia será feita e onde. A previsão é que seja em janeiro, mas ainda é uma previsão que deve ser confirmada porque ele não sabe se ficará na Inglaterra ou se voltará para a Italia”, explicou a mãe de Isabela, a cabo da Polícia Militar Gláucia Marina Ramos Diringer.

Enquanto não existe uma definição da data da cirurgia, a família trabalha para fazer a menina ampliar sua alimentação. O médico orientou que as crianças precisam comer para fazer o intestino funcionar e assim ajudar no sucesso do procedimento. “Ela já está comendo arroz, feijão e ovo cozido. Agora a fonoaudióloga quer inserir macarrão no cardápio dela. É uma luta.” Na última conversa com o G1, em maio, a menina conseguia comer apenas berinjela empanada.

Menina nasceu com malformação no intestino (Foto: Glaucia Marina Ramos Diringer/Arquivo Pessoal)

Menina nasceu com malformação no intestino (Foto: Glaucia Marina Ramos Diringer/Arquivo Pessoal)

A família do pequeno Francisco também aproveita esse período de indefinição para reforçar a alimentação do menino.

Chico tem o auxílio de diversos profissionais como fonoaudióloga, nutróloga e gastropediatra. “Ele come pouco, mas já come alimentos como pão de queijo, pipoca, pão com queijo derretido, arroz, tomate, batata, cenoura. Antes ele não podia sentir cheiro que enjoava, agora não mais. Ele está desenvolvendo o paladar. Esses dias ele disse ‘mãe tô com fome’, nunca ouvi isso dele”, conta a mãe de Chico, Jéssica Benitez.

Chico, tem quatro anos, e também precisa fazer cirurgia no intestino (Foto: Jéssica Carvalho/ Arquivo Pessoal)

Chico, tem quatro anos, e também precisa fazer cirurgia no intestino (Foto: Jéssica Carvalho/ Arquivo Pessoal)

A mãe está esperançosa que a cirurgia será feita no início de 2018. “O médico ficou de dar um parecer no final de novembro e tudo indica que será no início do próximo ano. Queremos que ele opere as crianças porque ele já fez a cirurgia em outras duas crianças brasileiras e deu certo. Ele é muito bom.”

Ela destacou que o médico está montando um centro de reabilitação intestinal em um hospital na Itália, por isso a indefinição na data e no local da operação.

Campanhas

No dia 14 de janeiro de 2017, a família de Chico conseguiu arrecadar os R$ 400 mil que faltava para a cirurgia do menino. A família começou uma campanha para arrecadar o dinheiro no dia de Natal, 25 de dezembro. A iniciativa ganhou o nome de vaichico. Na primeira semana de campanha as doações somavam R$ 93 mil, mas a família decidiu destinar R$ 40 mil deste total para Isabela.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Agência revela que divulgou campanha de Bolsonaro nas eleições por App

Empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para fazer, pelo What…