Home Bcn Governo reduz impacto do Funrural no Orçamento de 2019 para R$ 5,3 bi

Governo reduz impacto do Funrural no Orçamento de 2019 para R$ 5,3 bi

6 primeira leitura
0

Cálculo interno do Ministério da Fazenda é mais um capítulo do vaivém sobre a proposta que autoriza a renegociação de dívidas rurais

 

 

Ministério da Fazenda fechou nesta quarta-feira (5) um novo cálculo de impacto orçamentário causado pela Medida Provisória (MP) que autoriza a renegociação de dívidas rurais.

O texto, aprovado na Câmara dos Deputados na terça-feira (4) e ainda pendente de votação no Senado, vai gerar custo de R$ 5,3 bilhões à União.

O cálculo interno da pasta é mais um capítulo do vaivém que envolve a proposta.

Com ampliações nos benefícios e recuos ao longo da tramitação, a estimativa de impacto mudou mais de uma vez e agora gera divergências entre governo e Congresso.

O relator da matéria, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirma que a versão final do projeto gera um custo de R$ 2 bilhões ao governo.

Inicialmente, a proposta do presidente Michel Temer restringiu o benefício da renegociação de dívidas apenas a pequenos agricultores do Norte e Nordeste, no âmbito do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

Temer ataca Haddad, rechaça rótulo de ‘golpista’ e diz: ‘Toma cuidado’

Nesse formato, o impacto era calculado em R$ 1,6 bilhão.

Depois, o relator chegou a ampliar o total de dívidas que poderiam ser renegociadas e a abrangência do benefício para produtores rurais de todo o país.

O senador, entretanto, recuou de parte da mudança, que teria impacto estimado em R$ 17 bilhões.

Na versão aprovada pela Câmara, agricultores familiares do Norte e Nordeste poderão renegociar dívidas contratadas até 2011 com descontos de até 95%.

Para as outras regiões, o desconto será menor -de 60% para operações contratadas até 2006 e 30% para as dívidas assumidas até 2011.

O texto também prorroga o prazo de adesão ao programa conhecido como Refis do Funrural do fim de outubro para 30 de dezembro.

Nessa nova versão, Bezerra argumenta que o impacto foi reduzido para R$ 2 bilhões, número diferente do estimado pelo Ministério da Fazenda.

Na noite de terça, durante a análise em plenário, representantes da liderança do governo na Câmara ainda afirmavam que o projeto traria custo de R$ 17 bilhões.

Com esse argumento, os parlamentares disseram que a ordem do Planalto era a de não votar a matéria. O texto acabou sendo aprovado, mas agora o cálculo do governo prevê um impacto de menos de um terço desse valor.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), disse que gostaria de ter votado a MP em plenário ainda nesta semana, mas o texto não foi enviado a tempo pela Câmara.

A previsão é que ele seja votado pelos senadores na segunda semana de outubro, depois do primeiro turno das eleições.

Se for mantido no mesmo formato aprovado pela Câmara, o Ministério da Fazenda avalia se vai sugerir a Temer o veto dos trechos que ampliaram benefícios e elevaram o impacto inicial de R$ 1,6 bilhão para R$ 5,3 bilhões.

Fonte: Notícias ao Minuto

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…