Juristas declaram apoio a Haddad e defendem recorrer ao TSE contra Bolsonaro

3 primeira leitura
0

No evento houve uma cobrança para que o TSE investigue a ação de empresas que estão bancando a disseminação de mensagens contra o PT e favoráveis a Jair Bolsonaro (PSL) pelas redes sociais

 

O presidenciável Fernando Haddad (PT) recebe, na quinta-feira (18/10), o apoio de um grupo de juristas para sua candidatura à Presidência da República. Reunidos em um hotel da capital paulista, os declaram apoio ao petista os advogados Antonio Claudio Mariz de Oliveira, Antônio Carlos de Almeida Castro, Celso Antônio Bandeira de Mello e o ex-ministro José Carlos Dias, além de outros juristas.

No evento houve uma cobrança para que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) investigue a ação de empresas que, conforme reportagem da Folha de S.Paulo, estão bancando a disseminação de mensagens contra o PT e favoráveis a Jair Bolsonaro (PSL) pelas redes sociais.

O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, defendeu recorrer ao TSE para apurar a ação de empresas favoráveis a Bolsonaro.

“Não pensamos em impugnar a candidatura e não queremos isso, queremos ganhar nas urnas, mas é preciso mostrar as forças que estão por trás”, disse o advogado, defendendo “bater à porta do TSE”. “Não temos que ganhar no tapetão. É necessário que recorramos às instituições que estão postas”, disse.

Juristas que se alinharam ao presidenciável petista tecem fortes críticas a Bolsonaro. Para Belisário dos Santos Junior, ligado ao PSDB, o que une o grupo é a defesa da Constituição. “Não falo nem pela democracia, eu falo do caminho da Constituição”, declarou. “Difícil imaginar uma mulher que vá depositar o voto e não seja no candidato Haddad”, emendou a criminalista Dora Cavalcanti.

Fonte: Correio Braziliense

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Investigação não encontrou evidências de que Trump obstruiu inquérito sobre Rússia, diz Barr

O secretário de Justiça e procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, disse nesta q…