O ex-presidente peruano Alan García chega à sede da procuradoria em Lima, em 15 de novembro de 2018

A justiça peruana proibiu, no sábado (17), que o ex-presidente Alan García saia do país durante 18 meses, depois de que a procuradoria ampliou uma investigação por supostos subornos pagos pela construtora brasileira Odebrecht.

“Disponha-se a medida de impedimento de saída do país contra o investigado Alan García Pérez”, disse o juiz Juan Carlos Sánchez Balbuena, de um tribunal especial anticorrupção, ao acolher um pedido do procurador José Domingo Pérez, em uma audiência à qual o ex-presidente não compareceu.

O procurador Pérez, especializado em delitos de corrupção, investiga supostas irregularidades na licitação para a construção da linha 1 do metrô de Lima durante o segundo mandato de García (2006-2011).

Pérez argumentou que García tentou acelerar a licitação das obras do metrô, e que a proibição da saída do país era necessária para garantir que ele compareça quando for chamado a declarar, pois mora parte do tempo na Espanha.

O advogado de García, Erasmo Reyna, não rebateu o pedido do procurador, mas alegou que seu cliente cooperou com a justiça, foi um “bom governante”, “sobretudo em seu segundo governo” (o primeiro, em 1985-1990, terminou com hiperinflação), e não podia conhecer todas as atividades da Odebrecht.

O Peru é um dos países mais afetados pelo escândalo de corrupção da Odebrecht, que admitiu ter pago 29 milhões de dólares em subornos ao longo de três governos peruanos, incluindo o segundo de García.

O ex-presidente social-democrata, investigado por este caso desde março de 2017, havia respondido desafiante na quinta-feira o pedido da procuradoria, tachando os investigadores de “imbecis”.

Depois moderou o tom e expressou que aceitava a proibição de saída do país, o que evitou que os debates na audiência judicial se prolongassem excessivamente neste sábado.

García, de 69 anos, é investigado por suposta lavagem de dinheiro e conluio agravado em prejuízo do Estado peruano. Se for levado a julgamento, pode ser condenado a 11 anos de prisão.

Fonte: AFP

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por BCN

Veja Também

Transporte público funciona parcialmente em dia de paralisação

Manifestantes voltam às ruas do país Diversas cidades brasileiras registram hoje (14) mani…