Home Internacional Manifestantes ocupam prédio do Senado dos EUA contra política imigratória de Trump

Manifestantes ocupam prédio do Senado dos EUA contra política imigratória de Trump

3 primeira leitura
0

Foto: Reprodução/Internet

 

WASHINGTON (Reuters) – Várias centenas de ativistas ocuparam um prédio de escritórios do Senado dos Estados Unidos nesta quinta-feira com gritos que condenam a posição de “tolerância zero” do presidente norte-americano, Donald Trump, sobre imigração ilegal, antes de serem presos por recusar ordens policiais de deixar o país.

Os manifestantes, em sua maioria mulheres vestidas de branco, estavam sentados no chão de mármore do edifício do Senado e se enrolaram em cobertores de prata. Os cobertores pareciam ser uma referência a cobertores similares dados a crianças imigrantes em centros de detenção vistos em fotografias amplamente divulgadas.

“Falem alto, falem claro, imigrantes são bem-vindos aqui”, bradava a multidão de cerca de 500 manifestantes.

“Este é o último aviso”, disse um membro da Polícia do Capitólio aos manifestantes. “Se vocês não quiserem ser presos, precisam sair.”

A polícia fez os manifestantes se alinharem contra a parede em pequenos grupos, e confiscaram seus cobertores e placas antes de prendê-los enquanto outros manifestantes aplaudiam.

Dezenas de funcionários do Senado lotaram o mezanino superior, olhando o protesto abaixo.

As senadoras Mazie Hirono, Kirsten Gillibrand e Pramila Jayapal e o senador Jeff Merkley, democratas que têm criticado as políticas de imigração de Trump, passaram pela polícia e conversaram com algumas das mulheres. Gillibrand levantou uma placa que dizia: “Acabar com detenções agora.”

A Marcha das Mulheres, um movimento iniciado quando Trump tomou posse em 2017 e se disseminou mundialmente, pediu às mulheres que corressem o risco de ser presas no protesto desta quinta-feira.

Ao passarem diante do Trump International Hotel, que é administrado pela empresa do presidente, elas entoaram “Vergonha! Vergonha! Vergonha!”

A Marcha das Mulheres é parte de uma onda de ações contra Trump, cuja gestão começou a processar em maio todos os adultos que cruzem a fronteira sem autorização.

Mais de 2.000 crianças que chegaram ilegalmente nos Estados Unidos com parentes adultos foram separadas de suas famílias e colocadas em centros de detenção ou com famílias adotivas nos Estados Unidos.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Internacional

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…