Home Brasil Ministro Marco Aurélio Mello manda soltar Eduardo Cunha, mas ex-deputado seguirá preso em razão de outros mandados

Ministro Marco Aurélio Mello manda soltar Eduardo Cunha, mas ex-deputado seguirá preso em razão de outros mandados

4 primeira leitura
0

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) (Foto: Eraldo Peres)

 

Ex-presidente da Câmara foi preso em outubro de 2016 por decisão do juiz Sérgio Moro. Como há outros mandados de prisão expedidos contra Cunha, ex-deputado seguirá na cadeia, em Curitiba (PR).

 

 

 

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou nesta quinta-feira (28) soltar o deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ), preso desde 2016 na Operação Lava Jato.

Cunha, porém, permanecerá preso em razão de outros mandados de prisão decretados pelas justiças federais de Brasília e do Paraná, em outras ações às quais ele responde por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo a Petrobras e a Caixa Econômica Federal.

Ao mandar soltar Eduardo Cunha, Marco Aurélio Mello derrubou uma prisão preventiva decretada pela Justiça Federal no Rio Grande do Norte.

Nessa investigação, é apurado o recebimento de propina em troca de favorecimento à Odebrecht e OAS nas obras do estádio Arena das Dunas para a Copa do Mundo de 2014.

Defesa de Cunha

Após a decisão de Marco Aurélio, o advogado de Cunha, Pedro Ivo Velloso, divulgou uma nota à GloboNews na qual afirmou que o despacho do ministro “é um resgate da legalidade e da Constituição”.

“Essa prisão era absolutamente ilegal e desnecessária. Decretada em um caso absurdo, em que nem mesmo os delatores de plantão se dispuseram a confirmar a leviana acusação”, afirmou o advogado.

Investigações

Relembre abaixo as investigações que motivaram a prisão de Eduardo Cunha:

  • Fraudes na Arena das Dunas: A Polícia Federal afirma que houve pagamento de propina por empresas a Eduardo Cunha e a Henrique Alves, ambos do MDB, para serem favorecidas nas obras do estádio Arena das Dunas, em Natal (RN), para a Copa do Mundo de 2014.
  • Fraudes na Caixa Econômica: Cunha foi condenado a 24 anos e 10 meses de prisão pela Justiça Federal de Brasília por envolvimento em fraudesem empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Federal.
  • Fraudes na Petrobras: Cunha foi condenado a 15 anos e 4 meses de reclusão pela Justiça Federal do Paraná por receber propina referente a contratos da Petrobras para a exploração de petróleo no Benin, na África.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Brasil

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…