DR

Movimento pretende reunir 5.000 pessoas em ato

 

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) pretende reunir 5.000 pessoas em Brasília para acompanhar o ato de entrega do registro da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP), o que deve ocorrer na quarta-feira (15) no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Neste sábado (11), segundo a entidade, o mesmo número de militantes iniciou uma caminhada que partiu de três pontos no entorno de Brasília em três colunas com 1.500 sem-terra cada uma, que percorrerão de 50 km a 60 km até chegar à capital federal no dia 14.

Lula foi condenado sob acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 12 anos de prisão pelo juiz federal Sergio Moro, de Curitiba (PR), em caso derivado da Operação Lava Jato, e está preso desde abril na Superintendência da Polícia Federal do Paraná. A condenação foi confirmada pelo TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, de Porto Alegre (RS).

Segundo especialistas em direito eleitoral, Lula está inelegível de acordo com a Lei da Ficha Limpa. O TSE vai decidir sobre o futuro de sua candidatura depois que o pedido de inscrição for realizado pelo PT, no dia 15. O tribunal deverá dar uma decisão antes do dia 15 de setembro.

Marina dos Santos, da direção nacional do MST, disse que a marcha tem três objetivos: a soltura de Lula, trazer para o debate nacional “as preocupações da classe trabalhadora” e fazer com que a população do entorno de Brasília faça “uma discussão sobre um projeto popular para o país”.

Ao longo da caminhada, o MST vai realizar atos públicos. “Só acreditaremos em democracia neste país se Lula puder participar das eleições”, disse Marina.

Em outra frente que busca fazer pressão sobre o Judiciário, sete militantes entraram em seu 12º dia de greve de fome em Brasília. Eles estão se alimentando apenas de soro e água, mas são acompanhados por médico e psicólogo, segundo a direção nacional do MST.

Os manifestantes são Vilmar Pacífico, Zonália Santos e Jaime Amorim, do MST, Rafaela Alves e frei Sérgio Görgen, do MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores), Luiz Gonzaga, o Gegê, da CMP (Central dos Movimentos Populares), e Leonardo Armando, do Levante Popular da Juventude. Segundo Marina dos Santos, os grevistas estão tendo tonturas e dores no corpo e já enfrentam problemas para se levantar e caminhar.

Na terça-feira (7), os manifestantes protocolaram no STF (Supremo Tribunal Federal) pedidos de audiência com os ministros. Segundo o MST, “o STF é o lugar onde a liberdade do ex-presidente Lula pode ser debatida e deliberada imediatamente”, caso o tribunal coloque em julgamento duas ações declaratórias de constitucionalidade que debatem a possibilidade de prisão depois de decisão em segunda instância.

Fonte: Notícias ao Minuto

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Transporte público funciona parcialmente em dia de paralisação

Manifestantes voltam às ruas do país Diversas cidades brasileiras registram hoje (14) mani…