Zeca Pagodinho – Uma História de Amor ao Samba faz sucesso nos palcos (Foto: Victoria Dannemann/Divulgação)

Diretor e ator Gustavo Gasparini falou sobre a peça em cartaz no Teatro Procópio Ferreira, zona oeste da capital paulista, até o dia 5 de agosto

 

 

Após temporadas de sucesso em diversas capitais brasileiras, o musical sobre a história de Zeca Pagodinho chegou a São Paulo. Zeca Pagodinho – Uma História de Amor ao Samba está em cartaz até 5 de agosto, no Teatro Procópio Ferreira, zona oeste da capital paulista (veja serviço abaixo).

No espetáculo, quatro músicos e um regente se unem aos 13 atores para contar, em texto e canções, a trajetória de Zeca. Da infância no subúrbio de Xerém (Rio) até o auge da fama. O cenário ficou por conta do experiente Gringo Cardia.

Ator e diretor, Gustavo Gasparini vive Zeca na fase de sucesso

O musical é dividido em duas partes. Primeiro, o ator Peter Brandão faz o jovem Jessé Gomes da Silva Filho (nome verdadeiro de Zeca) descobrindo o samba. Depois, o diretor Gustavo Gasparini interpreta o cantor na fase madura, quando Zeca conquista reconhecimento nacional.

Musical de Zeca é formado por atores e músicos

Gustavo Gasparini festeja que o musical foi indicado para 15 prêmios. Agora, depois de passar por 10 capitais, o diretor e ator está eufórico para conferir a reação dos paulistanos.

— O público de São Paulo é muito apaixonado por samba, né? Com certeza, iremos cativar a plateia com essa temática. E nós somos, na realidade, uma roda de partido alto, contando a história do Zeca Pagodinho. É assim que a montagem se expressa.

Zeca virou musical

Gustavo relembra a intensa preparação para viver Zeca Pagodinho.

— Primeiro, tentei me aproximar de uma forma mais holística. Peguei o “clima” do Zeca, sem pensar em caracterização e fazer uma imitação. Eu e o Peter (Zeca na primeira fase) somos muito parecidos, então estávamos preocupados em pegar o estado de espírito do artista. Depois, tecnicamente, comecei a observar a divisão dele nas canções e fazer igualzinho, pois ele é o mestre nesse estilo. Também engordei 8kg para fazer o papel, sendo que, por ter sido bailarino, tenho a postura muito ereta e tive que mudar completamente.

O ator diz que se emocionou ao encontrar o ídolo, mesmo antes do espetáculo.

— Ele foi superbacana, generoso, muito carinhoso e acreditou na proposta. E me pediu para incluir o Baixinho, no quadro de Xerém. Depois, fui na casa dele, na Barra (Rio), para conversar sobre a entrada desse personagem e foi divertidíssimo. O Zeca foi ao ensaio, além de assistir a peça várias vezes. Ele é muito generoso com todo mundo e, literalmente, gente fina.

Musical fica em São Paulo até o dia 5 de agosto de 2018

O ator ainda ressalta que aprendeu muito ao interpretar o compositor.

— Ao estudar o personagem, duas coisas me chamaram a atenção: a generosidade e a maneira irreverente e mais despojada de levar a vida de Zeca. Tem muito artista que começa a fazer sucesso e passa a viver outra vida. Mas ele, não. Pegou o subúrbio e colocou no mapa do Brasil. Em todos os lugares as pessoas conhecem, graças ao Zeca, Xerém, Del Castilho, Irajá… Tem uma frase que o tio dele falava para ele, que acredito que deve ter norteado a família do cantor: “A gente leva dessa vida o que a gente come, o que a gente bebe e o que a gente brinca”. É isso. Está sendo um grande ensinamento para mim.

Zeca Pagodinho – Uma História de Amor ao Samba
Temporada: 
De 14 de julho a 5 de agosto de 2018
Onde: Teatro Procópio Ferreira – Rua Augusta, 2823 – Cerqueira César (SP)
Horários: Quinta (21h), sexta (21h), sábado (17h e 21h) e domingo (17h)
Duração: 2h (com intervalo de 15 minutos)
Quanto: R$ 80 (inteira)
Contato: (0xx11) 3083-4475

Fonte: R7

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Estudo revela quão perdidos estaríamos se o GPS sofresse uma queda

Uma interrupção do serviço GPS poderia até mesmo causar uma perda diária de 1 bilhão de dó…