Neymar domina uma bola durante a partida do Brasil contra a Arábia Saudita, 12 de outubro 2018 em Riade

Em jogo morno e de pouco brilho de seus talentos individuais, o Brasil venceu a Arábia Saudita por 2 a 0, nesta sexta-feira em amistoso disputado em Riade, uma atuação que faz a Seleção chegar com dúvidas ao clássico de terça-feira contra a Argentina, o primeiro teste desse novo ciclo.

A única nota positiva da partida para os comandados de Tite foi Neymar. O capitão do time se mostrou mais ligado em campo que os companheiros, correu com vontade durante o jogo todo e foi responsável pelas criação das duas jogadas que originaram os gols do Brasil.

Aos 43 minutos de jogo, Neymar deixou Gabriel Jesus na cara do gol para que o atacante do Manchester City acabasse com o jejum de gols de cinco jogos com a Seleção e, nos acréscimos (90+6), cobrou escanteio na medida para que Alex Sandro selasse a vitória brasileira de cabeça.

O Brasil volta a campo nesta terça-feira para enfrentar a Argentina, em Jeddah, num amistoso que será o primeiro grande teste do novo ciclo da Seleção sob o comando de Tite, de olho na Copa América em casa do ano que vem.

– Preguiça –

No todo, a atuação da seleção brasileira pode se resumir a uma palavra: preguiçosa. Diante de um adversário frágil, mas motivado por sua torcida a fazer frente aos pentacampeões do mundo, o Brasil pecou pela falta de velocidade e de ambição.

O jogo, porém, começou com a Seleção dando pinta de que golearia com facilidade os anfitriões sauditas, com Renato Augusto, Gabriel Jesus e Neymar perdendo boas chances de abrir o placar, isso antes dos 15 minutos de jogo.

Mas, depois do goleiro saudita Al Owais fazer defesa espetacular em cabeçada de Jesus (25 minutos), em cruzamento de Neymar, o Brasil diminuiu drasticamente o ritmo do jogo, se contentando em tocar a bola no meio de campo sem objetivo.

Assim, a partida ficou monótoma, já que a Arábia Saudita mal chegava à área brasileira, exigindo pouco das novidades escaladas por Tite, como o zagueiro Pablo, o lateral Alex Sandro e o goleiro Ederson.

Com os meias Fred -outra novidade na equipe titular- e Coutinho apagados em campo, coube a Neymar aparecer para forçar a abertura do placar.

A dois minutos do intervalo, o craque do PSG arrancou com a bola do meio de campo e tocou na medida para Gabriel Jesus tocar por baixo do goleiro Al Owais.

– Mudanças não surtem efeito –

Não satisfeito com a atuação brasileira, Tite conseguiu dar um pouco mais de dinamismo ao ataque com a entrada de Lucas Moura no lugar de Fred no intervalo.

Em seus primeiros toques na bola, o atacante do Tottenham roubou bola perigosa no ataque e foi derrubado na área saudita (48), um lance ignorado pela arbitragem, e perdeu chance cara a cara com o goleiro Al Owais (51), após lindo passe de Neymar.

Mas, assim como no primeiro tempo, o Brasil voltou a se render à falta de competitividade do adversário, permitindo que o ritmo da partida caísse, apesar do esforço de Neymar, que chegou a acertar a trave saudita em chute colocado de fora da área (55).

Nem as muitas alterações, como as entradas de Arthur, Wallace e Richarlison, foram capazes de acordar um sonolento Brasil.

Nos minutos finais, o VAR entrou em campo para dar um pouco de emoção ao jogo, ajudando o árbitro a expulsar Al Owais por interceptar com a mão fora da área um chute de Richarlison (82).

Na última bola do jogo, Neymar cobrou escanteio na medida para Alex Sandro, de cabeça, fechar a conta.

Um gol que não pode ajudar a esconder os defeitos apresentados pela Seleção em Riade, isso a quatro dias do clássico sul-americano contra uma Argentina que, sem Lionel Messi, tentará provar que seu processo de reformulação está no caminho certo.

Fonte: AFP

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Transporte público funciona parcialmente em dia de paralisação

Manifestantes voltam às ruas do país Diversas cidades brasileiras registram hoje (14) mani…