Home Bcn Políticos comentam fala de Segovia sobre tendência de arquivamento de inquérito contra Temer; veja repercussão

Políticos comentam fala de Segovia sobre tendência de arquivamento de inquérito contra Temer; veja repercussão

8 primeira leitura
0

Diretor-geral da PF concedeu entrevista à agência Reuters nesta sexta (9). Para oposição, declaração é ‘lamentável’ e ‘esperada’; aliados dizem que conduta de Segovia é ‘correta’.

 

As declarações do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segovia, sobre inquérito que investiga o presidente Michel Temer repercutiram no meio político neste sábado (10). Para oposicionistas, a fala de Segovia é “lamentável” e previsível. Já aliados do peemedebista avaliam que a conduta do diretor é “correta” e “não é reprovável”.

Segovia afirmou em entrevista à agência Reuters, nesta sexta-feira (9), que a tendência na corporação é recomendar o arquivamento da investigação contra o presidente Michel Temer no inquérito que apura suposto pagamento de propina em edição de decreto presidencial que beneficiou empresas do setor de Portos.

Procurado pelo G1, o Palácio do Planalto disse que não vai comentar as declarações de Fernando Segovia.

Veja o que aliados e oposicionistas disseram sobre as afirmações do diretor da PF:

Randolfe Rodrigues (Rede-AP), senador e líder do partido:
“A declaração é totalmente lamentável. Não é uma declaração à altura de quem ocupa o cargo diretor-geral da Polícia Federal. A instituição tem conquistado o respeito e confiança dos brasileiros pela sua postura, pelo seu trabalho. A declaração de Segovia ofende a instituição. Por sorte, essa declaração do diretor-geral da PF não tem validade nenhuma porque a responsabilidade de denunciar ou não quem quer que seja cabe ao Ministério Público. Neste caso, ele [Segovia] se comporta mais como advogado de defesa do senhor Michel Temer do que como diretor da instituição. Nós entendemos, dessa forma, qual a razão dos últimos encontros entre o diretor-geral e o presidente Michel Temer. Encontros na calada da noite”.

Carlos Marun (PMDB-MS), ministro da Secretaria de Governo:
“Ele [Segovia] verbalizou o óbvio ululante: não tem prova, não tem indício e não há fato. É o inquérito Gasparzinho. Ele expressou a inexistência de provas e indícios a respeito de qualquer ato ilícito do presidente neste caso. Sem indícios encontrados pela investigação, o caminho natural é o arquivamento. A postura do diretor não pode ser a de bancar um inquérito sem provas apenas para incentivar a confusão por razões políticas. A postura correta é se colocar ao lado da verdade e dos fatos. Não vejo nenhum tipo de conduta reprovável”.

Carlos Zarattini (PT-SP), deputado federal:
“Nenhuma surpresa com esse anúncio. A gente já esperava por isso. O objetivo de várias mudanças feitas de medidas tomadas pelo governo era resolver o problema deles. Estamos assistindo agora ao que foi plantado um ano atrás e meio atrás. É estranho, muito estranho [o Segovia dar a informação em entrevista]”.

Darcísio Perondi (PMDB-RS), deputado e vice-líder do governo na Câmara:
“O presidente não cometeu irregularidade alguma no decreto e não tem nada a ver com a entrevista do diretor-geral da Polícia Federal. Se a polícia investiga e não acha nada, é melhor que o caso seja arquivado de uma vez mesmo”.

Miro Teixeira (Rede-RJ), deputado federal:
“É quase inédito, nos tempos democráticos, o diretor da Polícia Federal antecipar o relatório do delegado responsável pelo caso. Eu acredito que os delegados federais não se submeterão a nenhuma ordem superior. Seria um retrocesso, uma volta aos tempos do arbítrio, da ditadura. Há uma tentativa de se intimidar o delegado que toca o inquérito [Cleyber Malta Lopes] por conta das perguntas que ele fez a Temer. Esse delegado tem que ser observado e protegido pelos cidadãos de modo geral, porque ele fez as perguntas que considera necessárias. As coisas estão incomodando o Palácio do Planalto, que demonstra que não há barreiras para evitar investigações. Isso é muito mau. Espero que os delegados resistam a esse tipo de pressão”.

Mauro Pereira (PMDB-RS), deputado federal e vice-líder do partido na Câmara:
“Talvez o ideal teria sido o diretor Fernando Segovia não ter falado sobre o caso, mas como ele é uma pessoa simples, deu uma opinião sem maldade. É preciso respeitar o trabalho do diretor e da Polícia Federal. É mais do que natural que tenha o arquivamento do inquérito, porque nesse caso do porto de Santos foi comprovado que tudo ocorreu dentro da lei”.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…