Shell alega que o contrato foi descumprido pela Prumo e que parou de usar o porto porque ele não estava dentro dos seus padrões de segurança.

A Prumo Logística afirmou que a BG E&P Brasil (Shell) não está cumprindo obrigações relativas a um contrato para operações no porto de Açu, e que vai buscar o pagamento imediato de faturas em atraso e o ressarcimento de danos, disse a empresa de logística em fato relevante nesta segunda-feira (4). A Shell alega que o contrato foi descumprido pela Prumo.

A Prumo Logística, que detém 80% da subsidiária operacional de petróleo Açu Petróleo, no porto de Açu, tem um contrato com a Shell para serviços de transbordo de petróleo por 20 anos em regime de take-or-pay (no qual o pagamento é obrigatório independemente da prestação do serviço).

Mas desde o vazamento de petróleo ocorrido durante uma operação de transferência ship-to-ship (entre navios) de petróleo em Açu, em maio deste ano, a

“Shell decidiu unilateralmente não demandar os serviços do Açu, previstos em contrato, apesar da disponibilidade comprovada do terminal para cumprir com o contrato”, disse a Prumo em fato relevante.

De acordo com a empresa, a Shell também não cumpriu suas obrigações de take-or-pay ao não pagar as faturas devidas desde junho de 2017. A Prumo disse que buscou amigavelmente o cumprimento do contrato, mas que a Shell está tentando “obter descontos financeiros e outras vantagens comerciais do Açu”.

Com isso, a “Prumo informa ao mercado que deve buscar o pagamento imediato das faturas pendentes e reivindicar todos os danos incorridos advindos do inadimplemento”.

Procurada pelo G1, a Shell confirmou que parou de usar o porto de Açu para transferência de cargas em maio. A empresa alega que tomou a decisão porque a infraestrutura e os procedimentos adotados pelo porto não estavam em conformidade com seus padrões de segurança e, portanto, “descumpriam as provisões e procedimentos estabelecidos em contrato”.

A petroleira alega que o descumprimento do acordo foi “evidenciado por três incidentes em 17 operações desde agosto de 2016”.

“A interrupção das operações de transferência ship-to-ship dos carregamentos da Shell no Açu efetivamente levou à suspensão dos pagamentos relativos a essa atividade, já que o porto descumpriu cláusulas de segurança previstas em contrato. Esta decisão será mantida até que as partes cheguem a um acordo sobre o cumprimento dos padrões de segurança da Shell, conforme previsto no contrato original”, diz a companhia em nota.

Fonte: G1

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Agência revela que divulgou campanha de Bolsonaro nas eleições por App

Empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para fazer, pelo What…