Home Bcn Rússia, Irã e Turquia defendem ‘estabilização gradual’ na província síria de Idlib

Rússia, Irã e Turquia defendem ‘estabilização gradual’ na província síria de Idlib

6 primeira leitura
Comentários desativados em Rússia, Irã e Turquia defendem ‘estabilização gradual’ na província síria de Idlib
0
146

Os presidentes de Rússia, Irã e Turquia discutiram, nesta sexta-feira (7), a “estabilização gradual” na província síria de Idlib, com a possibilidade de um acordo com alguns grupos rebeldes – declarou o russo Vladimir Putin.

“Discutimos medidas concretas para uma estabilização gradual na zona de desescalada de Idlib, que prevê, particularmente, a possibilidade de passar para um acordo para os que estiverem dispostos ao diálogo”, disse Putin, ao fim da cúpula em Teerã sobre o último reduto rebelde da Síria.

“Trabalhamos e continuamos a trabalhar para reconciliar as partes do conflito, sempre excluindo as organizações terroristas. Esperamos que estes últimos tenham bom senso o suficiente para entregar as armas e pôr fim à confrontação”, acrescentou.

“Nossa prioridade comum e incondicional é liquidar definitivamente o terrorismo na Síria”, insistiu Putin, após o encontro.

“Nosso objetivo principal na etapa atual é caçar os combatentes da província de Idleb, onde sua presença constitui uma ameaça direta à segurança dos cidadãos sírios e habitantes de toda região”, completou.

Conforme o comunicado oficial divulgado depois do encontro, os três países se reuniram hoje dentro de um “espírito de cooperação”.

Hassan Rohani, Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan “decidiram resolver” a questão de Idlib “no espírito de cooperação que caracteriza o [processo] de Astana”, lançado por esses três países para buscar a paz na Síria.

A reunião aconteceu no momento em que a comunidade internacional tem as atenções voltadas para Idlib. Teme-se um desastre humanitário diante da iminência da ofensiva por parte do governo.

A luta contra “o terrorismo” em Idlib é inevitável, mas “não se deve fazer os civis sofrerem”, declarou Rohani, mais cedo nesta sexta, na capital iraniana, por ocasião da cúpula.

“Combater o terrorismo em Idlib é uma parte inevitável da missão, que consiste em levar paz e estabilidade à Síria, mas esse combate não deve fazer os civis sofrerem, ou levar a uma política de terra arrasada”, declarou Rohani.

Já o presidente turco advertiu contra o “banho de sangue”, em caso de ofensiva, defendendo um “cessar-fogo” na província.

“Se conseguirmos transmitir uma declaração de cessar-fogo aqui, então seria um dos resultados dessa cúpula, e isso acalmaria enormemente as populações civis”, declarou.

De acordo com Erdogan, um assalto à província provocaria “uma catástrofe, um massacre e um drama humanitário”.

“Não queremos de modo algum que Idlib se transforme em banho de sangue”, acrescentou, acompanhado de Rohani e Putin, aliados do governo sírio.

Na mesma entrevista, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que “o governo (…) sírio tem o direito de assumir o controle da totalidade de seu território nacional e deve fazê-lo”.

Nesta sexta, aviões russos bombardearam posições rebeldes e extremistas em Idlib, deixando dois mortos, informou uma ONG.

Decidido a recuperar o conjunto do território sírio, o presidente Bashar al-Assad congrega esforços nos arredores da província, na fronteira com a Turquia. A região é dominada pelos extremistas do Tahrir al-Sham (HTS) e também acolhe importantes facções rebeldes.

As forças sírias realizam há dias disparos de artilharia contra a zona, enquanto o aliado russo lança bombardeios aéreos esporádicos, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

“O objetivo é destruir as fortificações dos insurgentes”, afirmou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Fonte: AFP

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn
Comentários estão fechados.

Veja Também

Prazo para regularizar situação no BPC vai até 31 de março

Data é para quem nasceu no primeiro trimestre As pessoas que recebem o Benefício de Presta…