O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou que a votação sobre o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) do cargo, marcada para esta terça-feira (17), seja feita de forma aberta e nominal no Senado.

Moraes concedeu mandado de segurança atendendo a pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que recorreu ao Supremo na última  segunda-feira (16) alegando que a votação fechada, como pretendia o presidente do Senado Eunício Oliveira (PMDB-CE), é “inconstitucional”.

Em sua decisão, o ministro escreve que a votação aberta “é a única forma condizente com os princípios da soberania popular” consagrados na Constituição.

“O eleitor tem o direito de pleno e absoluto conhecimento dos posicionamentos de seus representantes”, afirma Moraes, destacando que esse processo leva ao aprofundamento da democracia (leia a decisão).

“Diferentemente do eleitor, que necessita do sigilo de seu voto como garantia de liberdade na escolha de seus representantes, (…) os deputados e senadores são mandatários do povo e devem observar total transparência em sua atuação, para que a publicidade de seus votos possa ser analisada, refletida e ponderada pela sociedade”, continua o ministro.

Na decisão, Moraes ressaltou que a Emenda Constitucional 35/2001 “revogou corretamente a previsão existente na redação constitucional original que exigia ‘voto secreto’ para deliberação sobre a prisão do parlamentar”, o que se aplica também ao caso de medidas cautelares como o afastamento. Com isso, Moraes negou um trecho de uma resolução de 1970 do Senado que previa a votação secreta.

“Não há liberdade sem responsabilidade, o que EXIGE nos votos dos parlamentares a absoluta necessidade de prestação de contas a todos os eleitores”, diz o ministro.

O senador Aécio Neves foi denunciado em junho pela PGR (Produradoria-Geral da República) ao Supremo por corrupção passiva e obstrução da Justiça. Ele é acusado de solicitar R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, um dos delatores da JBS.

O STF ainda não julgou o caso, mas, em 18 de maio, o ministro Edson Fachin decidiu afastar o senador do cargo, atendendo parcialmente a um pedido na PGR, que queria a prisão do tucano.

A decisão foi revertida um mês depois por decisão do ministro Marco Aurélio Mello, que entendeu que não cabe ao Supremo tirar o político do cargo.

Mas Aécio voltou a ser afastado de suas funções legislativas no fim de setembro, por determinação da 1ª Turma do Supremo, que também obrigou o senador a não sair de casa no período noturno.

A decisão da 1ª Turma foi alterada no plenário do STF, que na última quarta-feira (11) entendeu que a imposição de medidas que afetam o mandato de senadores e deputados federais, como o afastamento, devem ser confirmadas ou negadas pelo Congresso.

Para continuar no cargo, Aécio precisa dos votos de metade mais um dos senadores presentes à sessão.

Fonte: R7

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Transporte público funciona parcialmente em dia de paralisação

Manifestantes voltam às ruas do país Diversas cidades brasileiras registram hoje (14) mani…