Home Bcn STF quer ouvir Congresso sobre MP que adiou reajuste de servidores

STF quer ouvir Congresso sobre MP que adiou reajuste de servidores

5 primeira leitura
0

Ministro Ricardo Lewandowski, relator de ações no Supremo contrárias à medida, pediu informações ao Legislativo antes de se manifestar

 

 

Relator de ações ajuizadas no Supremo Tribunal Federal (STF) por entidades representativas dos servidores públicos federais contestando a medida provisória que adiou o reajuste da categoria para 2020, o ministro Ricardo Lewandowski decidiu pedir informações ao Congresso antes de se manifestar sobre o tema.

O presidente Michel Temer (MDB) voltou atrás e resolveu adiar para 2020 o ajuste salarial dos servidores da União. No dia 29 de agosto, Temer havia anunciado que iria reajustar os salários do funcionalismo público e ainda dar o aumento aprovado pelos ministros do Supremo Tribunal Federal – de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

De acordo com dados do Ministério do Planejamento, o impacto nas contas públicas do governo federal com o aumento nas remunerações de servidores e ministros da Suprema Corte, caso fosse aprovado para o próximo ano, ultrapassaria os R$ 7,2 bilhões.

Pela tese dos servidores, a legislação veda a reedição de medidas provisórias já rejeitadas pelo Congresso na mesma legislatura. No dia 4 de setembro, o PSol protocolou uma ação com o mesmo pedido. Segundo o partido, a MP fere decisão transitada em julgado e anteriormente adotada em medida cautelar deferida pelo próprio STF no julgamento da ADI 5.809, de iniciativa da legenda. Na ação anterior, o partido questionou a MP nº 805, editada em 2017 por Temer, também com o intuito de adiar reajustes do funcionalismo.

Parlamentares pressionam por devolução da MP
A assessoria do senador e presidente do Senado e do Legislativo, Eunício Oliveira (MDB-CE), confirmou ter recebido o pedido do Supremo nessa quinta-feira (13) e já prepara o envio da resposta. O secretário-geral da Mesa do Senado, Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho, negou, porém, que Eunício tenha decidido devolver a Medida Provisória nº 849. “Até o momento, não há nenhum comando sobre devolução desta MP”, afirmou Mello Filho ao Metrópoles.

Parlamentares pressionam o presidente do Senado para fazer a devolução da MP. O senador Paulo Paim (PT-RS) pediu ao presidente da Casa rejeição integral da norma. No dia 10 deste mês, o petista reforçou o compromisso com os representantes do Fórum Nacional das Carreiras de Estado (Fonacate) e do Unacon Sindical. “A MP não tem nenhuma urgência e relevância”, disse.

O deputado federal e candidato ao governo do Distrito Federal (DF) Rogério Rosso (PSD) gravou um vídeo informando que o presidente do Senado irá devolver a MP nº 849/18 – informação não confirmada pela assessoria de Eunício Oliveira. “A Constituição é muito clara. Não se pode reeditar uma medida provisória sobre o mesmo assunto no mesmo período. Liguei para o Eunício, e ele me garantiu que iria devolver”, informou.

Leia Também: STF rejeita novo recurso de Lula contra prisão após segunda instância

Veja o vídeo:

Fonte: Metrópoles

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Redação BCN
Carregar mais por Bcn

Veja Também

Polícia Civil prende por tráfico de drogas casal que ostentava vida de luxo em bairro da periferia de Presidente Epitácio

Dinheiro, celulares e documentos apreendidos pela Polícia Civil na residência do casal Dup…